PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Butantan quer começar produção de Butanvac para testes até domingo

Envase da CoronaVac no Instituto Butantan - Divulgação/Instituto Butantan
Envase da CoronaVac no Instituto Butantan Imagem: Divulgação/Instituto Butantan

Leonardo Martins

Do UOL, em São Paulo

27/04/2021 19h07Atualizada em 28/04/2021 11h27

O Instituto Butantan prevê começar a produzir e envasar doses da Butanvac, nova vacina contra a covid-19, até o próximo domingo (2). O presidente do instituto, Dimas Covas, falou sobre a previsão em entrevista à rádio CBN e confirmou ao UOL.

O Butantan deve terminar de envasar nesta semana as últimas levas da vacina contra o Influenza, vírus da gripe, cuja campanha de imunização ocorre neste momento no país. Logo depois, o maquinário será voltado para a produção das primeiras doses da Butanvac, que serão usadas nos testes clínicos da fase 1.

A expectativa do instituto é que os testes comecem no início do mês de maio, mas ainda depende da aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Detalhes do processo de produção devem ser anunciados amanhã, às 12h45, durante a coletiva de imprensa do governo de São Paulo na sede do laboratório. O UOL irá transmitir a entrevista.

Análise de documentos da fase 1

Com atraso em relação à previsão inicial, o Butantan entregou na última sexta-feira (23) à Anvisa os documentos solicitados para autorização de início do teste do imunizante em humanos, na fase 1 de estudos clínicos.

Na terça à noite (27), depois da publicação desta reportagem, a agência nacional paralisou a análise deste pedido, alegando que a documentação está incompleta. Em nota, a Anvisa informou que enviou ao Butantan uma lista de exigências, e o instituto disse que vai "viabilizar os esclarecimentos necessários".

Produção 100% brasileira

Apesar de ter sido anunciada como uma vacina "100% brasileira" pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o desenvolvimento da Butanvac é de responsabilidade de um consórcio de laboratórios internacionais, do qual o Butantan participa. Já o processo de produção será em território nacional.

Produzida em ovos de galinha, a Butanvac é considerada de baixo custo e de fácil produção.

De acordo com Ricardo Palácios, diretor médico de pesquisa clínica do instituto, países como Vietnã e Tailândia já estão testando o imunizante em fase 1 e colhendo "perfis de segurança muito bons".

Ainda não há qualquer prazo para que a vacina tenha a aplicação autorizada pela Anvisa e comece a ser aplicada por aqui, visto que o processo de testes é complexo e demorado. No entanto, o presidente do Butantan, Dimas Covas, disse que a expectativa é conseguir usar a vacina ainda no segundo semestre de 2021.

Coronavírus