PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
7 meses

YouTube remove vídeo em que Malafaia chama vacinação de 'infanticídio'

Na última segunda-feira (10), post de Malafaia que linkava para vídeo já havia sido removido do Twitter - Mauro Pimentel/AFP
Na última segunda-feira (10), post de Malafaia que linkava para vídeo já havia sido removido do Twitter Imagem: Mauro Pimentel/AFP

Do UOL, em São Paulo

13/01/2022 10h13Atualizada em 13/01/2022 11h04

O YouTube removeu da plataforma um vídeo do canal do pastor Silas Malafaia em que o líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo chamava a vacinação de crianças contra a covid-19 de "infanticídio".

Ao acessar o link em que o vídeo se encontrava, já não é possível visualizá-lo. No lugar dele, consta um fundo preto e a mensagem "este vídeo foi removido por violar as regras da comunidade do YouTube".

Procurado pelo UOL, o YouTube disse que não permite "conteúdo com alegações de que as vacinas causam efeitos colaterais crônicos além das reações adversas raras que são reconhecidas pelas autoridades de saúde".

Além do mais, a plataforma afirmou que não tolera questionamentos sobre "a eficácia dessas vacinas com alegações de que elas não reduzem a transmissão e a contaminação por doenças ou ainda questione as substâncias contidas" nos imunizantes.

Na última segunda-feira (10), um post de Malafaia que linkava para o vídeo no YouTube já havia sido removido do Twitter, também sob alegação de que o tuíte "violou as regras" da plataforma.

Após a exclusão do post, o YouTube passou a ser pressionado a remover o vídeo, já que era nele que se encontrava a fala de Malafaia chamando a vacinação de crianças de "infanticídio", e chegou a afirmar, na tarde de ontem, que estava "averiguando esta questão".

Vacinação de crianças

Contrariando o que defendem especialistas, como pediatras e entidades médicas, Malafaia tem se colocado contra a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a covid-19.

A vacinação de crianças de 5 a 11 anos com doses contra a covid-19 passou a ser autorizada em 16 de dezembro do ano passado, quando a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) deu aval para o imunizante pediátrico da farmacêutica americana Pfizer.

O presidente Jair Bolsonaro (PL), porém, tendo a mesma postura do aliado Malafaia, também tem se colocado contra a vacinação de crianças contra a covid-19, dizendo até mesmo que não vai vacinar a própria filha, Laura, de 11 anos, contra a doença.

O Ministério da Saúde só foi incluir a vacinação de crianças de 5 a 11 anos no plano nacional de vacinação em 5 de janeiro, quase três semanas depois do aval da Anvisa.

Entre o aval da Anvisa e o anúncio da Saúde, a pasta, sob liderança de Marcelo Queiroga, chegou a prever a necessidade de prescrição médica para crianças serem vacinadas e a abrir uma consulta pública sobre o tema, gerando críticas entre cientistas.

Coronavírus