PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Diogo Schelp


Diogo Schelp

Bolsonaro age como se mortes por covid-19 o beneficiassem politicamente

Bolsonaro em viagem ao Nordeste - ALAN SANTOS/PR
Bolsonaro em viagem ao Nordeste Imagem: ALAN SANTOS/PR
Diogo Schelp

Diogo Schelp é jornalista com 20 anos de experiência. Foi editor executivo da revista VEJA e redator-chefe da ISTOÉ. Durante 14 anos, dedicou-se principalmente à cobertura e à análise de temas internacionais e de diplomacia. Fez reportagens em quase duas dezenas de países. Entre os assuntos investigados nessas viagens destacam-se o endurecimento do regime de Vladimir Putin, na Rússia, o narcotráfico no México, a violência e a crise econômica na Venezuela, o genocídio em Darfur, no Sudão, o radicalismo islâmico na Tunísia e o conflito árabe-israelense. É coautor dos livros ?Correspondente de Guerra? (Editora Contexto, com André Liohn) e ?No Teto do Mundo? (Editora Leya, com Rodrigo Raineri).

Colunista do UOL

14/08/2020 11h33

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro apostou na ideia de que o medo que o brasileiros teriam do desemprego e do empobrecimento lhe traria mais dividendos políticos do que o temor de se contaminarem e morrerem por covid-19. O aumento na aprovação popular de seu governo, revelada pela nova pesquisa Datafolha, comprova que sua aposta eleitoreira foi acertada.

A estratégia de Bolsonaro foi a de empurrar para governadores e prefeitos o ônus da pandemia e assumir para si o bônus das curas milagrosas para a doença e para a pobreza.

Na lógica tortuosa do presidente, a insistência de governadores e prefeitos em impor medidas preventivas de isolamento social não apenas causou desemprego e falência de empresas, como agravou a pandemia.

A culpa pelos 100.000 mortos por covid-19, insinuou Bolsonaro esta semana, é dos Estados, dos municípios e da imprensa, não do governo federal. O ônus da pandemia não lhe diz respeito.

A verdade, porém, é que o total de mortos teria sido ainda maior, não fossem as restrições adotadas à revelia da vontade do governo federal. Mas, como já estava claro desde o começo, o mérito pelas vidas salvas seria muito mais difícil de mensurar.

A cada comentário fatalista e indiferente sobre as vítimas da pandemia ("e daí", "quer que faça o quê?", "não sou coveiro", "toca a vida", etc), Bolsonaro age como quem tem convicção de que as mortes o favorecem politicamente, pois devem ser debitadas na conta de seus adversários.

Quando o governo decide pegar o dinheiro que havia sido reservado para os gastos de estados e municípios no combate à pandemia e destiná-lo ao financiamento de obras de infraestrutura, por sua vez, Bolsonaro vai além do discurso e opta por uma política deliberada de privar os pacientes com covid-19 de tratamento adequado — priorizando, em seu lugar, a "cura" desenvolvimentista para a crise econômica.

Bolsonaro e seus assessores estão focados em colher os louros pelo bônus das curas milagrosas. De um lado, o presidente promove o uso de um remédio, a hidroxicloroquina, que, a despeito de não ser eficaz contra covid-19, cumpre o papel de dar (falsas) esperanças e de arrefecer o medo da população em relação à doença. De outro, apresenta-se como o benfeitor dos pobres, o distribuidor do auxílio emergencial, que não apenas serviu de colchão social nos últimos meses, como aumentou em 24% a renda daqueles que o receberam.

Agora que essa estratégia provou-se capaz de levar a popularidade do governo Bolsonaro ao seu nível mais alto, preparem-se para mais do mesmo: mais indiferença em relação à pandemia, mais uso demagógico e eleitoreiro dos programas de distribuição de renda e de obras públicas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Diogo Schelp