PUBLICIDADE
Topo

Maria Carolina Trevisan

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Medo da pandemia diminui, mas não melhora popularidade de Bolsonaro

Gravata de Bolsonaro com fuzis - Reprodução
Gravata de Bolsonaro com fuzis Imagem: Reprodução
só para assinantes
Maria Carolina Trevisan

Maria Carolina Trevisan é jornalista especializada na cobertura de direitos humanos, políticas públicas sociais e democracia. Foi repórter especial da Revista Brasileiros, colaborou para IstoÉ, Época, Folha de S. Paulo, Estadão, Trip e Marie Claire. Trabalhou em regiões de extrema pobreza por quase 10 anos e estuda desigualdades raciais há oito anos. Coordena a área de comunicação do projeto Memória Massacre Carandiru e é pesquisadora da Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós Graduação. É coordenadora de projetos da Andi - Comunicação e Direitos. Em 2015, recebeu o diploma de Jornalista Amiga da Criança por sua trajetória com os direitos da infância.

Colunista do UOL

25/02/2022 13h49Atualizada em 25/02/2022 14h38

O brasileiro vem perdendo o medo da pandemia de covid-19, mostra a pesquisa Ipespe publicada nesta sexta (25). Em 15 dias, houve queda de sete pontos percentuais entre aqueles que dizem sentir "muito medo" do coronavírus —percepção de 23% dos entrevistados na rodada atual.

Mas esse otimismo não se reflete na popularidade do presidente Jair Bolsonaro (PL), que boicotou vacinas, desrespeitou regras sanitárias, causou aglomerações, entre outros feitos. A avaliação negativa de seu governo está acima dos 60% há oito meses —e não há sinal de recuperação.

Com a melhora dos indicadores da pandemia, a preocupação com a economia se torna ainda mais relevante para o eleitorado. E Bolsonaro também não vai bem nesse quesito: 63% dos entrevistados afirmam que a economia brasileira está no "caminho errado". A avaliação negativa na área econômica está acima dos 50% desde dezembro de 2020.

A pesquisa Exame/Ideia publicada nesta quinta (24) também mostra uma insatisfação alta com Jair Bolsonaro: para 70% dos entrevistados, o Brasil está no "rumo errado" e o principal responsável é o governo federal.

Para conter a desaprovação e viabilizar a candidatura à reeleição, o governo prepara um "pacote de bondades" na economia, que inclui linhas de créditos, reajustes a servidores e redução de impostos. O objetivo é criar um clima favorável que possa turbinar sua popularidade, como tentou fazer com a implementação do Auxílio Brasil, em vão.

A má gestão da pandemia revelou a incompetência e a falta de sensibilidade de Jair e seus ministros. Em contextos de instabilidades e incertezas —como a tensão internacional causada pela invasão russa à Ucrânia, que deve ter consequências econômicas para o Brasil— essa inabilidade aparece com clareza.

A cada nova crise, mais profundo é o poço em que Bolsonaro enfia o Brasil.

Ainda não é possível prever o custo ao país da visita a Putin às vésperas da guerra, dos acenos aos líderes de extrema-direita no mundo, da indisposição que criou com a China no meio da pandemia, da falta de um posicionamento contra a ofensiva militar na Ucrânia. Mas há uma certeza: não existe nada de positivo nessas movimentações.