PUBLICIDADE
Topo

Segurança pública

Conteúdo publicado há
1 mês

Polícia Civil divulga nome dos 28 mortos durante operação no Jacarezinho

Juliana Arreguy

Do UOL, em São Paulo

08/05/2021 18h58Atualizada em 08/05/2021 21h58

A Polícia Civil do Rio de Janeiro divulgou hoje (8), de forma oficial, os nomes das pessoas mortas durante operação na comunidade do Jacarezinho, na zona norte do Rio, que ocorreu na quinta-feira (6). Foram 28 óbitos, um a menos do que o informado inicialmente pelos agentes, na operação mais letal da história do Rio.

Segundo a corporação, a retificação de uma morte ocorreu por contagem de dois corpos que não estavam identificados no hospital, mas que já tinham sido identificados pela Delegacia de Homicídios. Os nomes ainda não haviam sido oficialmente divulgados pela polícia.

Antes da publicação, as identidades das vítimas foram compiladas pela Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ, conforme publicado pelo UOL.

Além da lista, a corporação também divulgou o nome do inspetor policial André Leonardo Mello Frias, 48 anos, morto durante a ação.

Confira:

  1. Jonathan Araújo Da Silva
  2. Jonas Do Carmo Santos
  3. Márcio Da Silva Bezerra
  4. Carlos Ivan Avelino Da Costa Junior
  5. Rômulo Oliveira Lúcio
  6. Francisco Fábio Dias Araújo Chaves
  7. Cleyton Da Silva Freitas De Lima
  8. Natan Oliveira De Almeida
  9. Maurício Ferreira Da Silva
  10. Ray Barreiros De Araújo
  11. Guilherme De Aquino Simões
  12. Pedro Donato De Sant'ana
  13. Luiz Augusto Oliveira De Farias
  14. Isaac Pinheiro De Oliveira
  15. Richard Gabriel Da Silva Ferreira
  16. Omar Pereira Da Silva
  17. Marlon Santana De Araújo
  18. Bruno Brasil
  19. Pablo Araújo De Mello
  20. John Jefferson Mendes Rufino Da Silva
  21. Wagner Luiz Magalhães Fagundes
  22. Matheus Gomes Dos Santos
  23. Rodrigo Paula De Barros
  24. Toni Da Conceição
  25. Diogo Barbosa Gomes
  26. Caio Da Silva Figueiredo
  27. Evandro Da Silva Santos

A ação, que visava combater o tráfico de drogas, ocorreu após o STF (Supremo Tribunal Federal) restringir operações durante a pandemia e a menos de uma semana da posse definitiva do governador Cláudio Castro (PSC) depois do impeachment de Wilson Witzel (PSC).

O STF determinou que a polícia deve comunicar e justificar a realização da operação ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), além de enviar um relatório com o resultado. Procurado pelo UOL, o MP disse ter sido comunicado sobre a ação apenas às 9h, após o início dela, para o cumprimento de mandados judiciais.

A polícia alega que os mortos apresentavam antecedentes criminais, embora não tenha apresentado documentos que comprovem as acusações.

As vítimas começaram a ser enterradas na tarde de hoje, dois dias após a operação.

'Crime contra a humanidade'

O MP afirmou que investigará denúncias de abusos durante a operação. As mortes foram classificadas como crime contra a humanidade pela Associação Juízes para a Democracia.

O PSB (Partido Socialista Brasileiro) e entidades como Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro e CNDH (Conselho Nacional de Direitos Humanos) pediram ao Supremo a intimação de Castro e dos secretários das polícias Civil e Militar do estado por causa da operação.

O Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos também pediu a abertura de investigações imparciais e independentes sobre o caso.

Quem são as vítimas?

O UOL já havia publicado, nesta sexta (7), quem eram alguns dos mortos na operação.

André Leonardo Mello Frias

André Leonardo Mello Frias, 48, policial civil morto na operação do Jacarezinho - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

O inspetor da Polícia Civil tinha 48 anos e estava há nove na corporação. Filho único, era tutor da mãe, que teve um AVC (Acidente Vascular Cerebral). Deixa uma companheira e um enteado de 10 anos.

Frias foi baleado na cabeça logo no início da incursão no Jacarezinho. O policial, que foi sepultado nesta sexta, gostava de armas e de participar de operações policiais.

Jonas do Carmo dos Santos

jonas_jacarezinho - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Jonas do Carmo dos Santos
Imagem: Arquivo Pessoal

Tinha 32 anos e trabalhava como servente de pedreiro e de pizzaiolo. Tinha dois filhos - um de sete anos e outro de apenas um mês.

Segundo a família, estava indo comprar pão a pedido da esposa quando foi morto. Parentes afirmam que Jonas já esteve preso, mas já havia cumprido sua pena.

Francisco Fabio Dias Araújo Chaves

franciscofabio_jacarezinho - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Francisco Fabio, 25 anos
Imagem: Arquivo pessoal

Tinha 26 anos, era casado e deixa duas filhas, uma de três meses e outra de sete anos.

Atualmente trabalhava como entregador de aplicativos de delivery.

Jhonatan Araújo da Silva

jhonatan_jacarezinho - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Jhonatan Araujo da Silva, 18 anos
Imagem: Arquivo pessoal

Tinha 18 anos. Trabalhava como entregador de mercado e, segundo a família, estava prestes a se alistar nas Forças Armadas.

Parentes contam que Jhonatan morreu a caminho da casa da namorada.

Raí Barreiro de Araújo

Tinha 18 anos. Morador do Morro da Providência e foi, de acordo com parentes, morto junto com o amigo Pedro Donato Santana, 25, em uma casa.

raiepedro_jacarezinho - Rai Aquino/UOL - Rai Aquino/UOL
8Mãe de Raí Barreiro de Araújo, 18, mostra camisa em homenagem ao jovem e seu amigo Pedro Donato dos Santos, 20
Imagem: Rai Aquino/UOL

Pedro Donato de Sant'ana

Tinha 25 anos. Morador da Providência, foi morto quando estava na casa da namorada, segundo os parentes.

Amigo de Raí, deixou dois filhos, um menino de três anos e uma menina de seis meses.

Richard Gabriel da Silva Ferreira

richard_jacarezinho - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Richard Gabriel da Silva Ferreira, morto na operação da Polícia Civil
Imagem: Arquivo pessoal

Tinha 23 anos. Era um dos 21 alvos de mandados de prisão que deram origem à operação da Polícia Civil. Pai de uma recém-nascida.

Segurança pública