PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Paraty: Avião teria sofrido pane e recebido orientação de piloto de Boeing

Pai do copiloto fez relato para comandante do Corpo de Bombeiros do RJ; buscas continuam - Reprodução/ Twitter @cbmerjoficial
Pai do copiloto fez relato para comandante do Corpo de Bombeiros do RJ; buscas continuam Imagem: Reprodução/ Twitter @cbmerjoficial

Do UOL, em São Paulo

30/11/2021 14h43Atualizada em 01/12/2021 14h00

O piloto de avião José Porfírio de Brito, 60, pai do copiloto José Porfírio de Brito Filho, 20, que estava no avião bimotor que desapareceu no mar entre Ubatuba (SP) e Paraty (RJ), na última quarta-feira (24), informou que a aeronave havia sofrido uma pane nos dois motores antes de cair. Ele afirma ter relatado as informações ao Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, logo após o acidente. Além do copiloto, também estavam no voo o empresário Sérgio Alves Dias Filho, 45, e o piloto Gustavo Carneiro, cujo corpo foi localizado e identificado na última sexta.

Segundo o jornal Extra, José Porfírio afirmou aos bombeiros que um comandante de um Boeing da companhia aérea Gol, que passava pelo local, teria recebido alerta pelo rádio de comunicação e orientou o piloto a como proceder com a pane dos motores, devendo fazer um pouso de emergência em direção à costa.

De acordo com os bombeiros, o pai do copiloto teria recebido as coordenadas da localização do acidente, local em que militares encontraram uma poltrona e objetos que acreditavam ser da aeronave. Hoje, a Marinha confirmou que uma mochila foi achada no fim de semana.

"O que ele me relatou é que, como a aeronave estava em pane, tem um canal que eles pedem socorro para aeronaves que estão próximas, eles conseguiram um contato com um Boeing e o piloto dessa aeronave deu todas as dicas. Teria dito para mirar na costa. No relato do piloto da aeronave, ele disse que o primeiro e o segundo motor pararam", informou o coronel Rodrigo Bastos ao jornal carioca.

O comandante do Corpo de Bombeiros da Área Marítima explicou que, conforme o relato do pai, o comandante do Boeing orientou que o piloto do bimotor seguisse para a costa e destravasse as portas.

"Porque, num contato com a água, elas poderiam travar. Aí, o Boeing já acionou o Serviço Salvaero. Como o pai é piloto, ele partiu para lá e encontrou o assento e miudezas. Acreditamos que esse avião esteja inteiro no mar", disse Bastos.

Até agora a aeronave, o copiloto e o passageiro não foram localizados. Eles continuam sendo procurados pelos órgãos oficiais e bombeiros militares, e por uma força-tarefa de familiares e amigos que vão para alto-mar. A mãe do rapaz alimenta esperanças de que ele possa estar vivo.

Ao Extra, o pai do copiloto disse que já fez buscas até São Paulo e deu detalhes sobre como encontrou a provável área do acidente: "Quando chegamos no local [da queda] tinha óleo, gasolina e o nariz do avião. O Controle Rio me ligou e disse: 'Comandante, a aeronave caiu nessa rota'. Começamos a calcular as coordenadas. Traçamos todas as rotas e desde então estamos rodando".

"Acredito que a pane foi por conta de combustível. Acredito que ele estava 'batizado' ou que tenham feito uma má mistura no combustível. Tinha muito combustível no local", disse ele.

Cotidiano