Topo

Suspeitos de atentado em Boston são irmãos tchetchenos e já foram identificados

Reprodução/fbi.gov
Os suspeitos Dzhokhar A. Tsarnaev (esq.) e Tamerlan Tsarnaev (dir.), que seriam russos Imagem: Reprodução/fbi.gov

Do UOL, em São Paulo

2013-04-19T07:57:27

2013-04-19T09:37:36

19/04/2013 07h57Atualizada em 19/04/2013 09h37

Os dois suspeitos apontados pelo FBI (polícia federal norte-americana) como responsáveis pelas explosões da Maratona de Boston, que deixaram três mortos e mais de 170 feridos, foram identificados na manhã desta sexta-feira (19) como os irmãos Dzhokhar A. Tsarnaev, 19, e Tamerlan Tsarnaev, 26.

Os dois, que aparecem nas imagens divulgadas ontem pelo FBI, seriam russos, provenientes de uma região próxima à Tchetchênia, e residentes legais nos Estados Unidos há no mínimo um ano, de acordo com informações divulgadas pela imprensa americana e agências de notícias.

Dzhokhar, identificado como o suspeito número dois, que aparece nas imagens com um boné branco, continua foragido e acredita-se que fortemente armado. Já Tamerlan, que está com o boné preto nas imagens do FBI, foi morto após ser capturado durante megaoperação policial na cidade de Watertown, nos arredores de Boston, em Massachusetts.

"Um dos suspeitos morreu, o outro está solto, armado e é perigoso", confirmou o comissário da polícia de Boston, Edward F. Davis. "Nós acreditamos que esse homem é um terrorista. Acreditamos que ele veio até aqui para matar pessoas", disse. A polícia do Estado pediu, por meio de sua conta oficial no Twitter, que os moradores de Watertown não saiam de suas residências e só abram a porta de casa para a polícia.

Personagens da tragédia

  • Reprodução/The Boston Globe

    Irmãos que assistiam à Maratona de Boston perdem uma perna cada um

  • Reprodução/Facebook

    Estudante chinesa morta na Maratona de Boston é identificada

  • Reprodução/Boston Globe

    Criança de 8 anos morta em ataque esperava o pai na chegada da maratona

  • Charles Krupa/AP

    Homem que tentou suicídio após filho morrer no Iraque vira herói

  • Reprodução/Facebook

    Mulher de 29 anos é a segunda vítima fatal da Maratona de Boston

  • Arquivo pessoal

    "Não sabíamos para onde era seguro ir", diz brasileira em Boston

  • Arquivo pessoal

    Passei pela chegada 1 min antes da explosão, diz brasileira em Boston

  • Reprodução

    Brasileiro que olhava maratona é salvo da explosão em Boston por minutos

Em um comunicado, a Casa Branca informou que o presidente dos EUA, Barack Obama, está sendo informado sobre a evolução dos acontecimentos e da investigação no caso pela assistente de Segurança Nacional e Antiterrorismo, Lisa Mónaco. Ontem (18), Obama participou de um ato ecumênico em homenagem às vítimas do atentado, na Catedral da Santa Cruz de Boston. "Sim, nós vamos encontrá-lo e vamos fazer justiça! Nós vamos terminar a corrida! Não podemos deixar algo como isso nos parar", disse na ocasião.

Testemunhas do confronto

De acordo com reportagem do jornal "The New York Times", dois moradores contaram à polícia que presenciaram o momento em que dois jovens, com armas e explosivos no que pareciam ser mochilas, entraram em confronto com dezenas de policiais em uma rua de Watertown.

Um policial de trânsito chegou a ser baleado, e está em estado grave.

Andrew Kitzenberg, 29, disse que viu os dois suspeitos trocando tiros com a polícia. Segundo ele, a dupla estava de posse de uma grande bomba. "No meio do tiroteio, eles acenderam a bomba e jogaram", lembra.

Outra moradora, Loretta Kehayias, 65, contou que a explosão "iluminou toda a casa. Eu gritei. Eu nunca vi nada como isso, nunca, nunca, nunca."

Ainda segundo itzenberg, o outro jovem entrou em um carro e fugiu. O porta-voz da polícia, Dave Procopio, confirmou que foram encontrados explosivos e que as unidades antibomba foram acionadas.

Moradores da cidade também relataram que a madrugada foi de caos por causa da grande operação realizada pela polícia. Muitos contaram que ouviram vários tiros e explosões por volta de 1h (0h horário de Brasília).

O taxista Imran Sais conta que estava na esquina de uma rua, em frente a uma lanchonete, quando ouviu uma explosão. "Ouvi um grande estrondo e, em seguida, uma rápida sucessão de barulhos que soavam como vindos de armas automáticas. Depois disso, escutei uma segunda explosão", lembra.

Mais Internacional