Mais informação com menos tempo de leitura
Topo

ONU esperava documento mais ambicioso na Rio+20, diz secretário-geral

O secretário-geral da ONU em discurso na Rio+20 - AFP
O secretário-geral da ONU em discurso na Rio+20 Imagem: AFP

Matheus Lombardi e Lilian Ferreira

Do UOL, no Rio

20/06/2012 11h49

O secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), Ban Ki-moon, afirmou nesta quarta-feira (20) que o documento final da conferência ficou abaixo das expectativas, apesar de se dizer "satisfeito" com o resultado.

"Muitas propostas eram muito ambiciosas, mas cada país tem seus interesses. As negociações foram muito difíceis. Eu esperava um documento final mais ambicioso", disse.

Ban Ki-moon alertou sobre a necessidade de medidas urgentes a serem tomadas pelos países.

"Nosso recurso mais escasso é o tempo. A mudança climática está tendo impacto em todas as questões da nossa vida. Estamos em um caminho perigoso. A natureza não negocia com os seres humanos", afirmou.

O secretário-geral da ONU afirmou que o objetivo dos líderes na Rio+20 é trazer uma nova visão para a sociedade sobre os problemas que afetam o planeta.

"Não podemos continuar queimando combustível. Os governos concordam em lançar e assumir objetivos universais. A Rio+20 serviu como um catalizador de ideias", disse.

A aguardada reunião de chefes de Estado começou hoje com o objetivo de discutir o desenvolvimento sustentável, 20 anos após a Rio92. A Rio+20 conta com a presença de mais de 193 líderes mundiais, entre eles os presidentes de Cuba, França, Irã, Venezuela e Espanha. Entre as ausências, estão Barack Obama, dos Estados Unidos, Angela Merkel, chanceler alemã, e David Cameron, primeiro-ministro do Reino Unido.

Presidentes recebem racunho da declaração

Para iniciar os debates, eles recebem um rascunho da declaração a ser aprovada no final do encontro, já acordado pelos negociadores dos países. Juntam-se ao texto, 30 recomendações da sociedade civil em 10 temas centrais como oceanos, combate à pobreza, cidades sustentáveis e energia. Esta é uma inovação do governo brasileiro para aumentar a participação de movimentos sociais e especialistas das discussões das Nações Unidas, mas a própria porta-voz da ONU, Pragati Pascale, admitiu que as sugestões não devem mudar o texto.

O Brasil buscou o meio termo com o uso de palavras brandas para conseguir que seu rascunho final da Rio+20 fosse aprovado. Se por um lado manteve os princípios das responsabilidades diferenciadas, pela qual países mais ricos devem arcar com mais dinheiro, por outro, diminuiu o tom da obrigatoriedade de financiamento por parte deles e ainda incluiu o setor privado. Incentivos a mudanças nos padrões de consumo e produção também garanharam destaque.

Espera-se que os chefes de Estado reunidos avancem em questões que travaram as discussões nos níveis menores de tomada de decisão. Entre os temas que podem ter novos acordos estão o financiamento internacional para o desenvolvimento sustentável, a criação de metas e prazos para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e, principalmente, melhorar a redação para que ela seja mais ambiciosa e prática em ações para o desenvolvimento baseado na melhoria social, econômica e ambiental. Este é um pedido tanto de ONGs quanto de países como os da União Europeia.

O ministro-chefe da Secretária-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse que alterações devem ocorrer, enquanto o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que participaram ativamente das negociações, pareceram bastante satisfeitos com o texto já apresentado.

Conheça as sete questões críticas
Veja Álbum de fotos

 

Calcule sua pegada ecológica

  • Reprodução

    A ferramenta mostra qual o impacto do seu estilo de vida no meio ambiente e dá dicas para reduzi-lo

E o que tem no documento?

Um rascunho final para a declaração foi aprovado na manhã de terça-feira (19), com um atraso de um dia em relação ao prazo do governo do Brasil, que assumiu a presidência das negociações, no sábado (16), após o Comitê Preparatório não ter conseguido fechar uma redação no cronograma oficial.

Em 49 páginas e 283 parágrafos, o documento fala de maneira geral na manutenção do princípio criado na Rio92 que diz que os países têm "responsabilidades comuns, porém diferenciadas" nos danos à natureza e indica que os países ricos devem arcar com a maioria dos custos ambientais; reconhece a importância em aliar financiamento, transferência de tecnologia e necessidades nacionais, mas não faz menção ao fundo de US$ 30 bilhões, pedido pelos países em desenvolvimento, e inclui a cooperação com "doadores relevantes" para a provisão de verbas.

Outra novidade do texto atualizado apresentado pelo Brasil é um parágrafo reconhecendo a necessidade de outros indicadores que complementem o PIB, a soma de toda a produção econômica de um país, como medida de desenvolvimento.

Temas polêmicos

O problemaO que éA brigaA solução
Meios de implementaçãoMedidas concretas para o financiamento e a transferência de tecnologia para a adoção de energia limpa e outros projetos sustentáveis, sobretudo nos países em desenvolvimentoO G77+China (grupo dos países em desenvolvimento, inclusive Brasil) propôs a criação de um fundo de US$ 30 bilhões anuais para a promoção do desenvolvimento sustentável; os países desenvolvidos se opõem, dizendo que já existem outros mecanismos de financiamento disponíveis, e apontam a crise econômica como um empecílhoA declaração não especifica quais serão os meios de implementação adotados, e menciona o crédito de fundos privados e instituições financeiras internacionais para este fim
Economia verdeOs países debatem sobre a definição do termo. Refere-se, de modo geral, a maneiras de integrar padrões mais sustentáveis a modelos de produção e consumoAlguns países em desenvolvimento temem, entre outros problemas, que a adoção do termo "economia verde" como expressão corrente nas negociações dê margem a pressões internacionais e protecionismos (veja mais abaixo)O termo aparece como "economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza" em todas as vezes em que é mencionado no texto. Também fica expresso que a economia verde deve estar de acordo às regras da legislação de comércio internacional e é um dos caminhos para o desenvolvimento sustentável, não o único, como queriam os países ricos
Princípío das responsabilidades comuns, porém diferenciadasDiretriz da política internacional acordada na Rio92, diz que países ricos devem arcar com a maior parte dos custos ambientais por terem se desenvolvido às custas de energias poluentesPaíses em desenvolvimento fazem questão de reafirmar o princípio expressamente no texto; delegações como as dos Estados Unidos, União Europeia, Japão e Canadá dizem não achar necessário reafirmar o compromisso já assumidoO princípio foi reafirmado expressamente duas vezes
Regulamentação sobre oceanosHá uma lacuna na legislação internacional com respeito à biodiversidade e recursos naturais localizados em alto mar, fora da área de jurisdição de cada país; delegações discutem a criação de áreas de reserva marinha em águas internacionais, a responsabilidade pela acidificação dos mares e a divisão equitativa dos recursos minerais suboceânicosPaíses como Estados Unidos, Canadá, Japão, Rússia e Venezuela se opõe a um tratado internacional de proteção do alto marO texto não propõe um tratado novo para a regulamentação dos oceanos, mas recorre a legislação e metas anteriores para estimular os países a tomarem medidas em prol da biodiversidade. O texto inova ao repreender a pesca ilegal
Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)Estabelecimento de metas para o desenvolvimento sustentável dos países, à semelhança das Metas do Milênio adotadas pela ONU em 2000. Os ODS seriam fixados para garantir avanços nos três aspectos do desenvolvimento sustentável - econômico, social e ambientalPaíses divergem sobre o conjunto dos ODS e o cronograma para o estabelecimento de prazos e metasFicou decidido que os países adotarão metas claras para o desenvolvimento sustentável a partir de 2015, quando serão renovados os compromissos com relação às Metas do Desenvolvimento do Milênio na ONU. Foi criado um comitê de especialistas será nomeado pelos Estados para trabalhar na definição dessas metas
GovernançaReforma das instituições e fóruns internacionais que hoje regulam os acordos quanto ao meio ambiente e sustentabilidade dentro do sistema ONU para facilitar a implementação de açõesUma das questões em discussão é o fortalecimento do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). A promoção do Pnuma à condição de agência especializada, com mais autonomia e capacidade de implementação, foi descartada pelos diplomatas; ainda havia debate, no entanto, sobre as medidas a serem adotadas para fortalecer o programaO texto expressa a determinação de fortalecer o programa e expressa nove possíveis maneiras de fazê-lo; as decisões concretas quanto a recursos e funções do Pnuma, no entanto, são deixadas para a próxima Assembleia Geral. A declaração convida também outras insitituições internacionais a assumir responsabilidades quanto ao meio ambiente

Mais Meio Ambiente