Topo

Presidente Dilma Rousseff anuncia troca de seis ministros

Do UOL, em São Paulo

2014-03-13T18:15:13

2014-03-13T20:12:56

13/03/2014 18h15Atualizada em 13/03/2014 20h12

A presidente Dilma Rousseff anunciou, na tarde desta quinta-feira (13), mudanças em seis ministérios: o chefe do Desenvolvimento Agrário, deputado Pepe Vargas; das Cidades, deputado Aguinaldo Ribeiro; da Pesca e Aquicultura, senador Marcelo Crivella; da Ciência, Tecnologia e Inovação, professor Marco Antonio Raupp; da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, deputado Antônio Andrada; e do Turismo, deputado Gastão Vieira estão deixando seus cargos.

Assume o Ministério do Desenvolvimento Agrário o ex-presidente da Petrobras Biocombustível e ex-ministro, Miguel Rossetto. O vice-presidente de governo da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, será o novo ministro das Cidades. O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação será dirigido pelo reitor da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), Clelio Campolina Diniz.

O Ministério da Pesca e Aquicultura terá como titular o senador Eduardo Lopes. O secretário de Política Agrícola, Neri Geller, assumirá o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O Ministério do Turismo será ocupado pelo gerente de assessoria internacional do Sebrae, Vinicius Nobre Lages.

Em comunicado no Blog do Planalto, a presidente agradeceu a dedicação e o empenho dos ministros Pepe Vargas, Aguinaldo Ribeiro, Marcelo Crivella, Marco Antonio Raupp, Antônio Andrada e Gastão Vieira. A posse dos novos ministros será às 10h da próxima segunda-feira (17).

De acordo com reportagem da Folha, a presidente mudou a escolha para a pasta do Turismo optando por um técnico. Depois do nome preferido da presidente, Ângelo Oswaldo, do PMDB mineiro, não ser bem recebido pelo próprio partido, a petista resolveu indicar Vinicius Lages, uma escolha técnica. Ele será apresentado aos peemedebistas pelo Palácio do Planalto.

No dia 3 de fevereiro, quatro novos ministros tomaram posse: três eram novos e um remanejado. Aloizio Mercadante deixou o Ministério da Educação e assumiu a Casa Civil, onde substituiu Gleisi Hoffmann, além de Thomas Traumann (que substituiu Helena Chagas na Secretaria de Comunicação), Arthur Chioro (entrou no lugar de Alexandre Padilha na Saúde) e José Henrique Paim (que entrou na vaga de Mercadante no MEC).

À época, Dilma disse que "as mudanças nos ministérios eram, na democracia, inevitáveis",  e completou que suas mudanças ministeriais ainda não tinham acabado. "Ao longo deste mês, outros ministros irão ser substituídos." Ao que tudo indica, e das pastas que estavam inicialmente no alvo, a presidente praticamente encerrou a reforma ministerial do último ano de seu primeiro mandato, restando apenas trocar o chefe da pasta da Integração Nacional, Francisco José Coelho Teixeira.

Os membros do primeiro escalão começaram a deixar seus cargos para se candidatar às eleições de outubro deste ano. No dia 5 de outubro, será realizado o primeiro turno das eleições para presidente da República e governadores dos Estados, e serão eleitos senadores e deputados. Quem deseja participar do próximo pleito deve deixar seu posto até 5 de abril, segundo as regras do calendário eleitoral.

Impasse com PMDB

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), disse hoje mais cedo que a bancada do PMDB na Casa não participou da escolha dos nomes dos novos ministros.

"O PMDB da Câmara não participou, em momento algum, da escolha desses nomes. É decisão da presidente. Eu reconheço que ela fez boas escolhas", afirmou Alves.

Conheça os novos ministros:

Eduardo Benedito Lopes (Pesca e Aquicultura)

Eduardo Benedito Lopes, brasileiro, nascido na cidade de Santo André, São Paulo, em 19 de setembro de 1964. Hoje senador da República. Em 2006, elegeu-se deputado federal, exercendo o mandato de 2007 a 2011. Na Câmara, foi membro titular das comissões de Relações Exteriores e Defesa Nacional e CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Em 2010, foi suplente de senador Marcelo Crivela candidatou-se ao Senado. Hoje exerce o mandato de Senador da República, sendo Líder do PRB (Partido Republicano Brasileiro) no Senado Federal.

Clelio Campolina Diniz (Ciência e Tecnologia)

Clelio Campolina Diniz é formado em engenharia mecânica pela PUC-MG. Possui graduação em engenharia de operação pela mesma faculdade. É doutor em Ciência Econômica pela Unicamp. Foi Diretor da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG, Diretor Presidente do BHTEC – Parque Tecnológico de Belo Horizonte. É atualmente reitor da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

Gilberto Magalhães Occhi (Cidades)

Gilberto Magalhães Occhi, nascido em Ubá (MG) em 24 de julho de 1958, é formado em direito e conta com especialização em finanças e mercado financeiro, gestão empresarial e comércio exterior. Bancário, Gilberto é funcionário de carreira da Caixa Econômica Federal desde 1980. Já atuou como superintendente regional, gerente de mercado e outras áreas da instituição. Hoje, é vice-presidente de governo da Caixa, Superintendente Nacional da Região Nordeste e integrante do Conselho Deliberativo Alagoas Sebrae.

Miguel Soldatelli Rossetto (Desenvolvimento Agrário)

Miguel Soldatelli Rossetto, nascido em 4 de maio de 1960 em São Leopoldo (RS), é formado em Ciências Sociais pela Unisinos. Iniciou a carreira na política no final dos anos 70, no Sindicato dos Metalúrgicos de São Leopoldo. Em 1996, foi eleito deputado federal. Foi ainda presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Polo Petroquímico de Triunfo, de 1986 a 1992. Integrou ainda a executiva estadual da Central Única dos Trabalhadores do Rio Grande do Sul e da CUT Nacional. Em 1998, Rossetto foi eleito vice-governador, na chapa encabeçada por Olívio Dutra. Em 2003, foi nomeado pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva para o cargo de ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário.

Neri Geller (Agricultura)

Neri Geller, nascido em 7 de novembro de 1968, é agricultor, empresário e servidor público federal. Hoje é secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e membro do Conselho Administrativo da Conab. Foi vereador em Lucas do Rio Verde (MT), entre 1996 e 2004. Foi eleito deputado federal em 2006 e reeleito em 2010. Como empresário, fundou a Fazenda Geller em 1990, onde desenvolve a atividade de plantio e comercialização de grãos (soja e milho).

Vinicius Nobre Lages (Turismo)

Vinicius Nobre Lages, nascido em 15 de dezembro de 1957, é engenheiro agrônomo, doutor em economia do desenvolvimento na França, especializado em economia de serviços, turismo e desenvolvimento de negócios. Desde 2007 é Gerente da Unidade de Assessoria Internacional do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa), ligada à presidência da instituição. Foi membro do Conselho Nacional de Turismo de 2003 a 2007 e em 2011. E representante da instituição na Organização Mundial do Turismo entre 2003 e 2007, e 2011. Com experiência empresarial na área de serviços, conta com perfil técnico e atuou como docente na disciplina Inovação em Serviços Turísticos (2013).

Mais Política