Topo

CarnaUOL

Minas Gerais



Carnaval de MG reúne a tradição de blocos de rua a grandes atrações e DJs

Ane Souz/Divulgação
Bonecos gigantes do Carnaval de Ouro Preto Imagem: Ane Souz/Divulgação

Daniel Lisboa

Colaboração para o UOL, em São Paulo

09/02/2019 04h00

Clichês e estereótipos devem ser evitados sempre que possível. Mas, se Carnaval é o feriado do pecado, então vale cometer mais este: dizer que a fama de "come quieto" dos mineiros se aplica também à folia. 

Afinal, à princípio, o Carnaval de Minas Gerais não é tão famoso, ou glamoroso, quanto o carioca, o baiano ou o pernambucano. Mas basta uma conferida no que o estado tem a oferecer para concluir que os mineiros não ficam devendo em nada nos quesitos diversão, história, cultura e criatividade.

O Carnaval das cidades históricas mineiras, como Ouro Preto, Mariana, Tiradentes e Diamantina, sempre estiveram entre os mais tradicionais e animados do país. E, se a capital do estado não era exatamente conhecida pela folia, isso mudou bastante de alguns anos para cá. A exemplo de São Paulo, Belo Horizonte assiste à ressurreição em larga escala dos blocos de rua.

Neste ano, 590 deles estão oficialmente cadastrados para desfilar pela cidade. O número é 22% maior do que o do ano passado, e cerca de 700 desfiles estão programados apenas para o período entre 16 de fevereiro e 10 de março, de acordo com a prefeitura. 

Então, Brilha!, Angola Janga, Baianas Ozadas, Juventude Bronzeada, Sexta Ninguém Sabe?, Alô Abacaxi, Havaynas Usadas e Garotas Solteiras são apenas alguns dos destaques da programação do Carnaval de rua de Belo Horizonte (confira aqui). Quem decidir pular por lá certamente achará sua turma: politizada, solteiros em busca de "pegação", família, blocos enormes, blocos modestos. 

E ainda há outras atrações, como os shows do Carnaval do Mirante Beagá (veja aqui), que em 2019 terá Jorge Ben Jor, Banda Eva e Anitta, entre outros. 

Cidades históricas

Autointitulado "o mais famoso Carnaval de rua do interior do país", o Carnaval de Ouro Preto é cheio dessas contradições bem brasileiras. É um dos mais antigos de Minas Gerais, mas tem uma pegada "universitária" já que a cidade sedia uma universidade federal e está cheia de repúblicas estudantis. 

Suas ladeiras e vielas com construções históricas, igrejas centenárias e museus de arte sacra ficam apinhadas de gente festejando. Para 2019, a prefeitura da cidade espera 40 mil visitantes. A cidade tem sete escolas de samba, que desfilam na praça Tiradentes na segunda-feira de Carnaval, e blocos tradicionais como o Zé Pereira dos Lacaios, Bloco do Mato, Bloco dos Chifrudos, Jesus é Bom à Beça, Bandalheira Folclórica Ouro-Pretana, Balanço da Cobra, Candonguêro e Bandalheira Mirim, entre outros. 

Samuel Consentino/Divulgação
O Carnaval de Mariana é um dos mais tradicionais de Minas Imagem: Samuel Consentino/Divulgação

Na programação oficial divulgada pela prefeitura, há ainda baile de máscaras, batalha de confetes, exposição histórica sobre o Carnaval de Ouro Preto, 64 apresentações musicais e 84 apresentações de DJs.

Intrépidos em busca apenas de ferveção, sem grandes preocupações com conforto, costumam ficar hospedados nas próprias repúblicas estudantis. Nesse caso, a vantagem é viver em clima de festa praticamente 24 horas por dia e já entrar nos esquemas dos abadás para os blocos estudantis. Já quem quer conhecer o Carnaval ouro-pretano, mas desfrutando do lado turístico da cidade, tem à disposição os vários níveis de acomodação oferecidos pela rede hoteleira da cidade. 

Logo ali ao lado, a cerca de 15 quilômetros de distância, Mariana oferece uma espécie de versão "redux" do Carnaval de Ouro Preto. História também não falta: a cidade foi a primeira capital de Minas Gerais e tem -atenção!- aquele que é considerado o bloco carnavalesco mais antigo do Brasil. 

O Zé Pereira da Chácara foi fundado em 1852 e é famoso pelos "catitões", bonecos gigantes feitos de bambu, fibra de sisal e jornal. Pesam em média 30 quilos e homenageiam personalidades da cidade, do estado e do Brasil. Mais de 100 deles participam do desfile. 

Outro bloco com muita história a perambular pelas ruas de Mariana é a Banda dos Farrapos, criada há mais de 50 anos e que normalmente arrasta 5.000 pessoas para o centro da cidade. Ao todo, Mariana espera por cerca de 35 mil turistas neste Carnaval.

Os chamados "blocos caricatos", com suas fantasias chamativas e criativas, são outro destaque do Carnaval de Mariana, que neste ano terá mais de 70 apresentações em sua programação oficial, entre cortejos, shows, desfiles de escolas de samba, blocos, bailes e atrações voltadas às crianças. 

Outra cidade histórica que deve entrar no radar dos que querem conhecer o carnaval mineiro é Tiradentes. Bem menor do que Ouro Preto e Mariana, tem apenas 6.000 habitantes, mas também preserva a tradição dos blocos de rua e espera receber 20 mil foliões. Em 2019, a programação oficial prevê que pelo menos 20 blocos desfilarão pelas ruas da cidade, dentre os quais os tradicionais Bloco das Domésticas, Ver-Te-Cana, Bloco Palhaçada, Roma Foi Pouco e Beatões da Santíssima. 

Já bem mais ao norte, há quase 300 quilômetros de Belo Horizonte, está outra cidade que disputa o titulo de "maior Carnaval do interior do país": Diamantina. Para comemorar os 20 anos da conquista do título de Patrimônio Cultural da Humanidade, a prefeitura da cidade anunciou uma variada programação musical para o Carnaval deste ano. 

Serão 22 shows em dois palcos, montados na Praça do Mercado Velho e no Largo Dom João, além de um espaço gastronômico chamado "Gastrô Folia". Os blocos? Sairão, claro, às ruas. São mais de 50 deles na programação oficial. Bat Caverna, Bartucada, Saidera e Uh! Bloco estão entre os mais tradicionais do Carnaval da cidade.