Topo

CarnaUOL

São Paulo


Mancha e Dragões mostram que rivalidade entre times passa longe do Carnaval

Casais de mestre-sala e porta-bandeira da Mancha Verde e Dragões da Real desfilam juntos no Anhembi - Soraia Gama/UOL
Casais de mestre-sala e porta-bandeira da Mancha Verde e Dragões da Real desfilam juntos no Anhembi Imagem: Soraia Gama/UOL

Soraia Gama

Colaboração para o UOL

09/03/2019 05h44

Enquanto a Rosas de Ouro terminava sua participação no desfile das campeãs, os casais de mestre-sala e porta-bandeira da Mancha Verde e Dragões da Real trocaram de pavilhão na concentração e depois desfilaram (cada um com seu respectivo par) juntos até a metade da avenida.

Essa ação foi organizada pelas diretorias das duas escolas - a Mancha Verde ligada ao Palmeiras, a Dragões, ao São Paulo. "Precisam parar de falar bobagem. Carnaval é uma coisa e futebol é outra", disse o presidente da Dragões. O momento foi ovacionado por todos que estavam no sambódromo e mostra que o Carnaval pode ser isso mesmo: união, beleza e respeito.

Uma noite de celebração

A noite começou tímida e foi esquentando ao som das baterias. A verdade é que o desfile das campeãs pode perder um pouco o glamour por conta de avarias nas alegorias e alas menores, já que componentes de fora da cidade muitas vezes não voltam para a comemoração.

Mas há algo indiscutível para se dizer: é lindo ver pessoas felizes, soltas e sem o estresse de fazer um desfile valendo nota. 

Além disso, as homenagens ficam liberadas, como foi o caso da Império de Casa Verde (quinta colocada no carnaval paulistano) que lembrou Cláudia Peres, coordenadora de ala infantil que faz tratamento de câncer e não pôde desfilar neste ano.

Do Acesso ao Especial

Como era de se esperar, as melhores escolas do carnaval apresentaram novamente um belíssimo show. Estrela do Terceiro Milênio (campeã do Acesso 2), Barroca Zona Sul (segunda colocada do Acesso) e Pérola Negra (campeã do Acesso) fizeram bonito e vibraram pelos títulos, mesmo com as arquibancadas ainda vazias.

O sambódromo começou a encher no desfile da Império de Casa Verde (quinta colocada do Grupo Especial), a quarta a desfilar na madrugada de hoje.

Unidos de Vila Maria foi aplaudida em alguns momentos, mas foi a Rosas quem levantou as arquibancadas. A escola estava visivelmente feliz pela conquista do terceiro lugar. "Foi um ótimo resultado, porque o carnaval está cada vez mais difícil", disse a presidente Angelina Basílio, que agradeceu novamente a participação da comunidade armênia.

Dragões, que falou sobre o tempo, curtiu cada segundo na avenida em seu segundo batendo na trave (escola foi vice em 2017 e 2019).

Império teve a sorte que faltou para a Tatuapé

Para sorte da Império de Casa Verde, o telão do elemento da Comissão de frente pifou hoje e não no dia do campeonato, quando valia nota. "Não tinha como falar de cinema sem ter telão. Mas é um risco muito grande. Telão nunca mais", disse Flávio Campelo, carnavalesco da escola.

A Acadêmicos do Tatuapé (bicampeã pelos carnavais de 2017 e 2018) era uma das favoritas, mas não teve a mesma sorte. A escola foi penalizada nas notas do quesito Alegoria, o que não permitiu o desfile entre as cinco primeiras deste ano.

Mancha campeã

E o carnaval no Anhembi foi encerrado pela Mancha com seu primeiro título de campeã. A festa começou na concentração e a energia se espalhou pelo público. "Foi trabalho de um ano todo. A nossa comunidade está aqui para mostrar isso",disse Paulo Serdan, o presidente.

Sobre a segunda colocada também ser de torcida, ele foi direto. "Nós [e a Dragões] trabalhamos sério. Isso é resultado do nosso profissionalismo. É carnaval, nada tem a ver com torcida de time."

Em dez minutos de discurso, Serdan fez incontáveis agradecimentos. Entre eles a Jorge Freitas, o carnavalesco. "Tivemos 15 dias de chuva e nossos carros estavam do jeito que saíram do barracão. E para quem se preocupou com o nosso dinheiro, eu digo: ele está no corpo [fantasia] da nossa comunidade."

Um carnaval com escolas tradicionais sendo rebaixadas, como Vai-vai e Peruche, pequenas diferenças nas pontuações, muitas premiações superando suas dificuldades e falando sobre preconceito de forma geral. E escolas de torcida em primeiro e segundo lugares.

Um ótimo aprendizado. 

Mais São Paulo