PUBLICIDADE
Topo

Carlos Madeiro

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

PF faz perícia em viatura e local onde policiais mataram Genivaldo em SE

Policiais fazem perícia no carro da PRF onde Genivaldo foi morto - PF/Divulgação
Policiais fazem perícia no carro da PRF onde Genivaldo foi morto Imagem: PF/Divulgação
Carlos Madeiro

Formado em jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas e com especialização em gestão de conteúdo em jornalismo pela Universidade Mackenzie, Carlos Madeiro atua há 20 anos e escreve para o UOL desde 2009, participando de grandes coberturas e fazendo reportagens e análises sobre o Nordeste e o Norte do Brasil.

Colunista do UOL

28/05/2022 12h47

A PF (Polícia Federal) realiza hoje uma perícia no veículo e no local onde, na última quarta-feira, policiais rodoviários federais agrediram e mataram um homem negro e com problemas mentais.

Genivaldo de Jesus Santos, 38, morreu asfixiado no porta-malas da viatura, após ser parado em uma blitz por não usar capacete na BR 101, em Umbaúba (SE). Antes de ser morto, ele foi agredido, e toda ação foi filmada por moradores que assistiram as cenas de tortura.

Segundo a PF, as diligências fazem parte das investigações dentro do inquérito policial instaurado na quinta-feira para saber as circunstâncias da morte de Genivaldo.

A PF informou que policiais estão realizando a perícia no local do crime e na viatura da PRF (Polícia Rodoviária Federal) onde Genivaldo foi morto. Além disso, os agentes trabalham também na identificação de testemunhas e na coleta de material que pode servir como prova do crime.

BR - PF/Divulgação - PF/Divulgação
Policiais foram à BR 101, onde Genivaldo foi morto após uma blitz
Imagem: PF/Divulgação

Além dessa investigação, a PF enviou a Sergipe quatro peritos federais do Instituto Nacional de Criminalística da Diretoria Técnica Científica.

O inquérito aberto deve ser concluído em até 30 dias, a partir da data da instauração. O caso está sendo acompanhado pelo MPF (Ministério Público Federal), que abriu dois procedimentos (um cível e um criminal) para apurar o crime.

Os cinco policiais que participaram da ação foram afastados das ruas e respondem a procedimento interno para apurar a conduta dos policiais. Ouvidores da polícias de seis estados, entre eles São Paulo, pediram que os cinco sejam detidos.

Segundo testemunhas, Genivaldo foi agredido por cerca de 30 minutos antes de ser levado para a viatura, onde policiais jogaram gás lacrimogêneo e o trancaram no porta-malas. Genivaldo não resistiu e foi levado e chegou já sem vida a uma unidade de saúde.

O laudo do IML (Instituto Médico Legal) de Sergipe informou que a causa da morte foi asfixia mecânica, mas disse que ainda necessita de mais investigação para saber as circunstâncias mais detalhadas do óbito.

pertios - PF/Divulgação - PF/Divulgação
Peritos analisam porta-malas onde Genivaldo foi asfixiado
Imagem: PF/Divulgação

A população de Umbaúba parou na quinta-feira passada em protesto contra a morte de Genivaldo e cobrou punição aos policiais que o mataram. O enterro de Genivaldo foi marcado por comoção extrema, com aplausos e gritos de justiça.

"Ele era uma pessoa muito querida na cidade", conta o sobrinho da vítima Wallison de Jesus, que assistiu a toda a abordagem de Genivaldo pela PRF na quarta-feira.

Ele contou que por várias vezes, ele e outras pessoas alertaram aos policiais que Genivaldo tinha problemas mentais e cardíacos, pedindo que parassem com a tortura.

O caso teve grande repercussão internacional, e a ONU (Organização das Nações Unidas) pediu uma investigação completa e rápida às autoridades brasileiras.

Policiais trancam Genivaldo e o sufocam com gás lacrimogênio - Reprodução - Reprodução
Policiais trancam Genivaldo e o sufocam com gás lacrimogêneo
Imagem: Reprodução

PRF diz que foi fatalidade

Em nota, a PRF de Sergipe diz que, durante uma ação policial realizada, Genivaldo "resistiu ativamente a uma abordagem de uma equipe da PRF" —o que é desmentido pelas imagens, que mostram ele imobilizado pelos policiais.

A corporação afirmou que, em razão de sua "agressividade", foram empregadas "técnicas de imobilização e instrumentos de menor potencial ofensivo para sua contenção e o indivíduo foi conduzido à delegacia da polícia civil da cidade".

A PRF, porém, não explica quais seriam essas técnicas e instrumentos. Ainda de acordo com a nota oficial, durante o deslocamento até a delegacia "o abordado veio a passar mal e foi socorrido de imediato ao Hospital José Nailson Moura, onde foi posteriormente atendido e constatado o óbito".