Topo

O que está acontecendo na Amazônia? Ambientalistas explicam

Foco de incêndio na Floresta Amazônia em São Félix do Xingu, no Pará  - Daniel Beltrá/Greenpeace
Foco de incêndio na Floresta Amazônia em São Félix do Xingu, no Pará Imagem: Daniel Beltrá/Greenpeace

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

21/08/2019 17h23

Desmatamento, queimada, falta de verbas e de fiscais. Essas são as respostas mais comuns de ambientalistas para explicar o que está acontecendo na Amazônia neste ano. Ao UOL, esses especialistas tentam responder se de fato a maior floresta tropical do mundo corre riscos ou se tudo não passa de alarme falso.

Abaixo, uma lista com as principais polêmicas.

1 - O desmatamento aumentou

Embora o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tenha dito recentemente que a Amazônia precisa de "soluções capitalistas", é justamente seu avanço sobre a floresta um dos principais responsáveis pelo desmatamento na região.

O corte de árvores foi 66% maior em julho segundo o instituto de pesquisa Imazon. Já o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que utiliza outra metodologia, apontou para uma alta de 278% no mesmo mês.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2019/4out2018—-imagem-do-ibama-mostra-desmatamento-em-fazenda-1566411741959.vm')"O Brasil não precisa entrar na Amazônia para produzir mais comida", defende Marcos Buckeridge, diretor do Instituto de Biociência da USP (Universidade de São Paulo), um dos redatores brasileiros de um capítulo no Relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas).

O Brasil desmatou, em média, 20% da Floresta Amazônica, um percentual próximo ao ponto sem retorno.

Para alguns cientistas, a floresta não conseguirá se regenerar se o desmatamento chegar a 40% da mata. Outros estimam em 25%. É por isso que não se deve deixar o meio ambiente nas mãos de quem não entende do assunto
Marcos Buckeridge, diretor do Instituto de Biociência da USP

2 - Queimadas disparam

O número de focos de queimadas na Amazônia cresceu 70% neste ano (até o dia 18 de agosto) na comparação com o mesmo período de 2018. Ao todo, o Brasil registrou 66,9 mil pontos, dados também do Inpe, "o grande produtor de dados sobre a Amazônia no mundo", diz Buckeridge.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2019/jul2019—-queimada-na-br-364-em-rondonia-1566412168411.vm')É o maior índice desde 2013, quando os dados começaram a ser apurados. O bioma mais afetado é o da Amazônia, com 51,9% dos casos. "Todo fogo [na região] é de alguma forma iniciado pelo ser humano", defende Ricardo Mello, gerente do Programa Amazônia do WWF Brasil.

"Em regra, isso tem a ver com aumento de área de pastagem. Em poucos casos, como no norte de Mato Grosso, é ligado à agricultura e outros usos agrícolas", afirma Mello.

Buckeridge explica como agem os criminosos: "Para poder abrir a floresta, eles vão primeiro por baixo, cortando as árvores jovens, que são mais úmidas, e deixam as grandes para então atear fogo".

Uma das consequências foi observada na segunda-feira (19) em São Paulo, quando o céu da cidade ficou escuro porque uma frente fria se encontrou com o material particulado que o vento carregou das queimadas na região amazônica.

3 - Fiscalização diminuiu

"Estão faltando fiscais e os que sobraram se sentem perseguidos", afirma o coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace, Márcio Astrini. Ele calcula em 30% a redução das operações de combate ao desmatamento pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) neste ano e queda de 65% na aplicação de multas.

"É uma mensagem do governo aos desmatadores, que estão se sentindo empoderados", diz.

Grupo de Fiscalização do Ibama combate desmatamento e garimpoem terra indígena - Ibama
Grupo de Fiscalização do Ibama combate desmatamento e garimpoem terra indígena
Imagem: Ibama
Em março, o órgão exonerou o servidor José Olímpio Augusto Morelli, que ganhou notoriedade por multar o presidente Jair Bolsonaro em R$ 10 mil por pescar em uma área protegida em 2012.

4 - Governo desacredita Inpe

Outra polêmica que tomou o noticiário foi a exoneração do físico Ricardo Galvão, 71, da direção do Inpe. Ele perdeu o cargo no começo do mês após semanas de confronto com Bolsonaro, que criticou o então diretor por ter divulgado os dados que apontavam para o aumento do desmatamento na Amazônia.

O ex-diretor do Inpe Ricardo Galvão - Lucas Lacaz/Estadão Conteúdo
O ex-diretor do Inpe Ricardo Galvão
Imagem: Lucas Lacaz/Estadão Conteúdo
"O Inpe conta uma verdade que não é a que o governo quer ouvir", avalia o coordenador do Greenpeace.

Embora o governo também tenha apertado o cerco contra outras instituições de pesquisa, como o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o ambientalista diz acreditar que o Inpe virou protagonista "porque Bolsonaro ficou nervoso com a repercussão internacional que envolve a Amazônia".

"O governo vai tentar moldar as instituições para falar somente o que ele quer ouvir. A ideia é desidratar os órgãos que arranharem sua imagem", diz Astrini.

Para Buckeridge, "se você quer perder a soberania sobre a Amazônia, é fácil: é só acabar com o Inpe". "Ela é uma instituição estratégica para o Brasil. Sem o Inpe a gente perde o controle da Amazônia, porque serão os estrangeiros a produzir os dados sobre desmatamento."

5 - Amazônia perde doações internacionais

A repercussão no mundo da política governamental para a Amazônia foi tamanha que Noruega e Alemanha suspenderam o repasse de quase R$ 300 milhões para ajudar na preservação do bioma. O Fundo Amazônia foi o mais afetado.

"Que eu saiba, não há qualquer suspeita de desvio desse dinheiro do Fundo Amazônia", diz Buckeridge. "Ele foi feito justamente para que não acontecesse esse tipo de coisa."

Funciona assim: o dinheiro sai da Europa, vai para o BNDES, que investe o dinheiro em projetos aprovados por ONGs ambientais, por exemplo. A ONG, então, aplica a verba e presta contas ao banco sobre o sucesso da aplicação.

"Na Ásia, alguns países estavam interessados em copiar o sistema para recuperar suas florestas", diz o especialista da USP.

"Sem esses repasses, o governo vai tirar dinheiro de onde?", questiona Astrini, do Greenpeace. "O dinheiro é doado, mas, como o governo não quer proteger o meio ambiente, ele dispensa a verba. Isso causa problema de imagem para o Brasil. O próprio agronegócio exportador está pedindo ao governo maior controle dos desmatamentos."

6 - O que diz o governo?

O governo federal nega as acusações dos ambientalistas. Primeiro, o Ministério do Meio Ambiente justificou a demissão de Galvão aos "dados mentirosos" divulgados por ele. Depois, afirmou que o ex-diretor do Inpe não deveria divulgar as informações sem avisar o presidente.

Bolsonaro também culpou as ONGs pelas queimadas. "O crime existe e nós temos que fazer o possível para que não aumente, mas nós tiramos dinheiro de ONGs, repasses de fora, 40% ia para ONGs, não tem mais. De modo que esse pessoal está sentindo a falta de dinheiro. Pode estar havendo, não estou afirmando, a ação criminosa desses 'ongueiros' para chamar a atenção contra minha pessoa contra o governo do Brasil."

Já o ministro Salles admitiu que as queimadas em Mato Grosso preocupam. "Não há nenhuma omissão do ministério. Se nós olharmos, todas as regras aplicáveis ao desmatamento ilegal foram mantidas. Todas as estratégias continuaram sendo atuadas."

Ele atribuiu a queda nas fiscalizações à crise. "Infelizmente, tanto os estados quanto o governo federal sofrem em razão da crise econômica de cortes orçamentários, e isso atrapalha também operações de fiscalização tanto nos estados quanto em nível federal."

Sobre a suspensão das doações por parte de Alemanha e Noruega, Bolsonaro sugeriu à Alemanha usar o dinheiro para reflorestar suas próprias florestas.

"Eu queria até mandar um recado para a senhora querida Angela Merkel, que suspendeu US$ 80 milhões para a Amazônia. Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, OK? Lá está precisando muito mais do que aqui", afirmou.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi informado na reportagem, a maior floresta do mundo fica na Rússia. É a floresta boreal, também chamada de taiga. A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo. A informação já foi corrigida.

Mais Meio Ambiente