Avião da Malásia desapareceu do radar uma hora após decolar, diz empresa aérea

Do UOL, em São Paulo

O avião da companhia Malaysia Airlines desaparecido desde sábado com 239 pessoas a bordo sumiu do radar uma hora após decolar de Kuala Lumpur com destino a Pequim e não duas como havia sido informado pelas autoridades, se corrigiu neste domingo (9) o Departamento de Aviação Civil da Malásia.

Onde fica a Malásia

O diretor do organismo, Azharuddin Abdul Rahman, declarou que a última posição do voo MH370 no radar antes de perder o sinal foi às 01h30 (local, 14h30 da sexta-feira, 7, em Brasília), segundo o jornal malaio "Star".

"O sinal desapareceu de repente", acrescentou Azharuddin aos jornalistas na cidade malásia de Sepang.

O Boeing 777-200 partiu de Kuala Lumpur às 00h41 (local, 13h41 da sexta-feira em Brasília) e devia aterrissar em Pequim seis horas mais tarde.

O avião transportava 239 pessoas de 14 nacionalidades, entre eles 227 passageiros, incluídos dois menores, e 12 tripulantes, todos malaios.

A investigação também quer descobrira por que dois dos passageiros entraram no avião com passaportes falsos, roubados na Tailândia, do italiano Luigi Marald e o austríaco Christian Kozel.

A companhia aérea e as autoridades malaias evitaram até o momento confirmar um possível acidente do avião, que, segundo a Marinha vietnamita, pode ter acontecido a cerca de 300 quilômetros ao sul da ilha de Tho Chu, no golfo da Tailândia.

Um avião do Vietnã localizou no sábado à tarde, antes que de serem paralisadas as buscas aéreas por falta de luz, duas manchas de óleo ao sul de Tho Chu.

O primeiro resíduo estava a 7.55 graus de latitude norte e 103.18 graus de longitude leste, e o segundo cerca de 150 quilômetros ao sul de Tho Chu. Ambas as manchas poderiam ter sido deixadas pelo carburante da nave desaparecida.

Buscas foram retomadas

Equipes de busca e resgate de Malásia, Cingapura e Vietnã retomaram neste domingo o rastreamento na região e, até o momento, não encontraram restos do avião.

A China mantém oito navios em alerta para colaborar, além de uma pequena frota aérea preparada para decolar, enquanto o destróier americano USS Pinckney, que transporta dois helicópteros MH-60R equipados para resgate e busca deve chegar hoje à região.

"Já se passaram mais de 24 horas desde o último contato com o (voo) MH370. A operação de busca e resgate ainda não descobriu o que aconteceu com o avião", informou hoje a Malaysia Airlines em seu último comunicado. (Com Efe)

Notícias relacionadas

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos