Topo

CarnaUOL

São Paulo


Lívia diz que corpo perfeito é cruel e defende mais plus sizes no Carnaval

Thiago Duran/AgNews
Lívia Andrade irá desfilar pela Tuiuti, no Rio, e Casa Verde, em São Paulo Imagem: Thiago Duran/AgNews

Gilvan Marques

Do UOL, em São Paulo

2019-01-31T17:43:43

31/01/2019 17h43

Dona de um corpo escultural, Lívia Andrade afirmou que a imposição de corpo perfeito chega a ser "ridícula" e "cruel" para as mulheres e defendeu mais gordinhas desfilando pelo Carnaval.

"Eu acho muito cruel essa imposição da magreza, do corpo perfeito. Não importa se você está lá mais ou menos. Se você está na bateria, então você precisa saber sambar, certo? É ridícula [essa pressão]", reclamou Lívia, durante entrevista concedida ao UOL, na quarta-feira (30).

Ao longo de 25 anos, Lívia virou figurinha carimbada em desfiles de escolas de samba: foi madrinha de bateria da Gaviões da Fiel, passou pela Império de Casa Verde, pela Leandro de Itaquera e também pela Acadêmicos do Tucuruvi. Atualmente, a apresentadora do programa "Fofocalizando", do SBT, é Rainha de Bateria da Império de Casa Verde, em São Paulo, e musa da escola de samba Paraíso do Tuiuti, no Rio.

"Eu desfilo há mais de 25 anos no Carnaval. Você acha que nesses 25 anos o meu corpo sempre foi perfeito? Que eu sempre me preocupei com a boa forma, com essa imposição de corpo perfeito? Nunca! Eu já desfilei com fantasia que não me servia", relembra ela.

A Tuiuti irá levar, em 2019, uma ala só com gordinhas com o objetivo de "acabar com a discriminação". Dois anos antes, a Rosas de Ouro já havia levado a novidade para o sambódromo em São Paulo.

Lívia Andrade apoia a ideia, mas ressalta. "Eu acho que a entrada da mulher plus size é uma vitória, é um incentivo a outras mulheres que, antes, talvez, não se sentiam à vontade para desfilar. Mas eu acho que não deveriam separar [mulheres magras das mais cheinhas] por alas", reflete.

"Você pode ser uma Rainha de Bateria e não ser esquelética, fitness. Eu acho que você pode usar um manequim 50 e ser destaque da escola", conclui.

Mais São Paulo