Topo

Tragédia em Brumadinho


Após tragédia em Mariana, Vale reduziu em 44% os gastos em segurança 

Lama de barragem da Samarco em Mariana muda cor do mar do Espírito Santo, em 2015 - Gabriel Lordello -22.nov.2015/Mosaico Imagem
Lama de barragem da Samarco em Mariana muda cor do mar do Espírito Santo, em 2015 Imagem: Gabriel Lordello -22.nov.2015/Mosaico Imagem

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

01/02/2019 04h00

A Vale cortou investimentos da companhia em ações de segurança e saúde nas suas operações no ano seguinte ao rompimento da barragem de Mariana, em 2015. Entre 2015 e 2016, a Vale reduziu os investimentos nessa área em 44%. Procurada, a companhia não respondeu aos questionamentos enviados pela reportagem. 

Na última sexta-feira (25), uma barragem operada pela Vale em Brumadinho, no interior de Minas Gerais, desmoronou causando a morte de pelo menos 110 pessoas e deixando 257 pessoas desaparecidas.

O levantamento feito pelo UOL tomou como base os relatórios de desempenho disponibilizados pela companhia aos seus investidores. Neles, a empresa informa, a cada trimestre, seus resultados financeiros e os montantes investidos pela companhia em áreas como segurança e saúde em suas operações ao redor do mundo. Não é possível saber, por exemplo, quanto do valor investido em segurança e saúde pela Vale foi no Brasil.

Os relatórios mostram que, em 2015, a Vale investiu US$ 353 milhões nesse tipo de ação. Em novembro daquele ano, a barragem da Samarco em Mariana se rompeu matando 19 pessoas e causando um dos maiores desastres ambientais da história do país.

Apesar da comoção causada pela tragédia, no ano seguinte, a Vale reduziu os seus investimentos em segurança e saúde para US$ 198 milhões.

O corte aconteceu em um momento positivo para a empresa. Em 2016, a Vale conseguiu reverter um prejuízo no ano anterior e obteve um lucro de US$ 13,3 bilhões. Na comparação, é possível dizer que a companhia gastou em segurança e saúde o equivalente a 1,48% do seu lucro. 

Os dados sobre os investimentos da Vale em segurança e saúde de 2017 e 2018 estão apenas parcialmente disponíveis e por isso não entraram no levantamento feito pelo UOL. No caso de 2017, o relatório referente ao segundo trimestre da companhia não informa o quanto a Vale investiu nessas áreas. A soma dos trimestres disponíveis (1º, 3º e 4º), no entanto, totaliza US$ 165 milhões. 

Em relação a 2018, os dados do quarto trimestre do ano passado ainda não foram disponibilizados. Eles deverão ser divulgados em meados de fevereiro. A soma dos investimentos nos três trimestres disponíveis totaliza um número ainda menor que os três trimestres do ano anterior: US$ 135 milhões. 

Nos dois casos, os dados indicam que os investimentos ficaram abaixo dos que foram feitos em 2015. 

Corte preocupa ativistas

Para o integrante da coordenação nacional do MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens) Pablo Dias, a revelação sobre o corte nos investimentos da companhia em ações de segurança mostra o descompromisso da Vale com a população e o meio ambiente. 

"Para a Vale, as medidas relativas a segurança da população e do meio ambiente são sempre secundárias em relação ao lucro. Então a redução dos investimentos em segurança é fruto desse modelo de exploração", afirmou. 

Dias afirma que a redução nos valores destinados à segurança contradiz o discurso oficial da companhia de que ela tomaria todas as precauções em relação à segurança de suas operações. 

"É uma contradição clara. Ela usa do discurso, do seu poder econômico, de peças publicitárias e de uma estratégia de marketing para mostrar que respeita a população e o meio ambiente, mas quando você olha os dados de verdade, vê que a realidade é muito diferente", disse Dias. 

Vale não se pronuncia

No Brasil, a Vale tem 139 barragens de contenção utilizadas em atividades de mineração como a de Brumadinho. Dessas, 50 são consideradas como tendo um potencial de dano alto. Isso significa que, caso elas se rompam, o dano à área e à população é avaliado como alto. 

Essa classificação não tem relação com as condições físicas das barragens. Das 50 barragens com potencial de dano alto, 45 ficam em Minas Gerais. 

Após a tragédia em Brumadinho, a Vale anunciou uma série de medidas visando a redução dos riscos de suas operações. Entre elas está a desativação de 10 minas em áreas próximas a barragens de rejeito.

A Vale foi procurada na última quarta-feira (30) por e-mail e por telefone para se manifestar sobre os cortes. Na quinta-feira (31), foram feitas diversas ligações, mas até a última atualização dessa reportagem, as perguntas não haviam sido respondidas.

Tragédia em Brumadinho