PUBLICIDADE
Topo

Política

CPI ouvirá jornalista que acusou governador Perillo e ex-chefe de gabinete de Agnelo

Maurício Savarese

Do UOL, em Brasília

20/06/2012 11h58

O presidente da CPI do Cachoeira, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), definiu nesta terça-feira (19) que a próxima semana terá nove depoimentos de envolvidos com os governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT). Entre eles, estará o jornalista Luiz Carlos Bordoni, que acusou o tucano de pagar gastos de campanha com dinheiro de Carlinhos Cachoeira.

O depoimento de Bordoni, que pediu para falar à comissão, está agendado para quarta-feira (27). No mesmo dia, falará Eliane Pinheiro, a ex-chefe de gabinete de Perillo suspeita de repassar informações policiais a Cachoeira. Na mesma reunião também deverá ser ouvido Jayme Rincón, presidente da Agetop (Agência Goiana de Transportes e Obras), tesoureiro da campanha tucana em 2010 e acusado de receber R$ 600 mil de uma empresa de Cachoeira.

A terça-feira (26) tem previsão de depoimentos de Lúcio Fiúza, apontado como ex-assessor do governador que intermediou a venda de uma casa de Perillo a um empresário – residência onde Cachoeira foi preso. E de Écio Antônio Ribeiro, sócio da Mestra Administração, empresa que teria sido usada, segundo a Polícia Federal, como “laranja” na transação financeira de R$ 1,4 milhão. Alexandre Milhomen, arquiteto que reformou o imóvel, deve comparecer no mesmo dia.

Os envolvidos com o petista Agnelo devem comparecer à CPI na quinta-feira (28). O principal deles é o ex-chefe-de-gabinete Claudio Monteiro, suspeito de receber propina da Delta, empresa da qual Cachoeira seria sócio oculto, de acordo com a PF. A acusação é de que ele facilitou a renovação de um contrato de lixo do Distrito Federal.

Também serão ouvidos dois ex-funcionários da gestão petista que são suspeitos de terem relações com o bicheiro: o ex-subsecretário de Esporte João Carlos Feitoza, conhecido como Zunga, e o ex-assessor da Casa Militar Marcello de Oliveira.

As reuniões têm início previsto para as 10h15. Mas os agendamentos ainda podem ser alterados pelos membros da CPI, que não se reunirá nesta semana por conta da conferência ambiental Rio+20 e das festas juninas, que dominam a agenda no Nordeste.

Política