Topo

Dilma consolida "blitz" em reduto de Aécio com o dobro de visitas de 2012

Rayder Bragon

Do UOL, em Belo Horizonte

2013-10-23T06:00:00

23/10/2013 06h00

Ao cumprir agenda oficial em Belo Horizonte, nesta quarta-feira (23), a presidente Dilma Rousseff atinge neste ano, em comparação com 2012, o dobro de viagens com agenda oficial que fez a Minas Gerais, reduto do senador Aécio Neves (PSDB), provável adversário tucano da petista na disputa da Presidência da República, no ano que vem.

No ano passado, Dilma, que nasceu em Belo Horizonte, mas fez sua carreira política no Sul do país, esteve quatro vezes cumprindo compromissos oficiais no Estado.

Levando em conta o cenário mais provável na disputa eleitoral, Dilma lidera a última pesquisa Datafolha com 42% das intenções de voto, Aécio vem em segundo lugar com 21%.

Com a inauguração hoje de uma escola infantil e a participação na cerimônia de formatura de alunos do Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) na capital mineira, a mandatária completa oito visitas de trabalho a Minas Gerais neste ano.

A presidente passou também a incorporar entrevistas exclusivas a rádios locais das regiões onde tem os compromissos. Nelas, invariavelmente, apresenta um discurso recheado de realizações do governo federal.

Em agosto deste ano, por exemplo, Dilma esteve três vezes no Estado, com destaque para a visita que fez a São João del-Rei (185 km de Belo Horizonte), reduto político da família de Aécio Neves e terra natal do ex-presidente Tancredo Neves, avô de Aécio. Na ocasião, ela anunciou o “PAC Cidades Históricas”.

Da última vez que esteve em BH, Dilma falou sobre inflação

À época, segundo o presidente estadual do PT, deputado federal Reginaldo Lopes, a escolha da cidade para o anúncio dos investimentos não fora uma "provocação". 

"Não tem nada disso. É por causa das comemorações de 300 anos de elevação de São João del-Rei de arraial para vila", disse o parlamentar, a um jornal de Belo Horizonte.

Por seu turno, o senador, que também é presidente nacional do PSDB, sempre fez chegar à imprensa declarações criticando as visitas da presidente ao seu Estado.

“Em campanha”

O presidente do PSDB de Minas Gerais, deputado federal Marcus Pestana, criticou as viagens da presidente e classificou-as de “uso indevido da máquina pública”.

Segundo ele, o PT antecipou o processo eleitoral e Dilma está “em campanha”.

“Há muito tempo o PT já precipitou o processo (...). Na verdade, no Palácio do Planalto, nós não temos uma presidente da República, nós temos uma candidata à reeleição. Ela está mediocrizando a agenda presidencial. Eu nunca vi o [Barack] Obama [presidente dos Estados Unidos] e o [François] Holland [presidente da França] entregarem patrol [motoniveladora] e retroescavadeira a prefeitos”, disse o tucano.

Segundo ele, a intenção de Dilma “é minar a força” do senador Aécio Neves em Minas Gerais e a do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que recentemente deixou de fazer parte da base aliada de Dilma e é apontado como outro adversário da petista em 2014. 

“Temos um forte bloco de oposição, liderado pelo Aécio, e um outro, muito forte, de dois dissidentes do bloco do governo [referindo-se também à ex-senadora Marina Silva, que se filiou recentemente ao partido de Campos] que estão claramente numa perspectiva oposicionista. Então o governo está preocupado e usando e abusando da máquina pública, de maneira inédita no país, para criar factoides. Ela tenta criar um vínculo com Minas Gerais para tentar minar a base do Aécio”, disse.

Questionado sobre as viagens de Aécio pelo país, como parte de estratégia do PSDB para torná-lo mais conhecido, o dirigente disse que elas não têm a mesma cobertura midiática de uma viagem presidencial.

O deputado estadual Rogério Correia (PT), um dos principais opositores da administração tucana no Estado, rebateu as críticas do dirigente do PSDB.

“Eu acho que é medo da presidenta e das ações positivas do governo federal. Os prefeitos não acham irrelevantes receber o kit com a patrol e a retroescavadeira. O Pestana talvez não saiba disso porque os tucanos não são afeitos aos pequenos produtores”, disse. 

O petista disse que Dilma vem ao Estado “a trabalho” e negou a antecipação de campanha supostamente feita pela mandatária.

“Ela tem vindo a Minas evidentemente a trabalho. O problema é que o Aécio só quer conversar. O governo de Minas é um comitê eleitoral do Aécio. Minas não funciona mais, o Estado está quebrado. O receio do Pestana é ver que o governo federal faz, e que Minas está quebrada”, disse Corrêa. 

Mais Política