Topo

Vazamentos da Lava Jato


Marco Aurélio critica Moro e diz não temer hacker: "não falo com as partes"

17.abr.2018 - Ministro Marco Aurélio Mello, do STF - Kleyton Amorim/UOL
17.abr.2018 - Ministro Marco Aurélio Mello, do STF Imagem: Kleyton Amorim/UOL

Constança Rezende

Colaboração para o UOL, em Brasília

13/06/2019 16h25

O ministro Marco Aurélio Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), voltou a criticar o ministro da Justiça, Sergio Moro, na chegada à sessão de hoje da corte. Marco Aurélio afirmou que Moro não é vocacionado para a magistratura e ironizou as mensagens trocadas pelo então juiz federal e o procurador da República, Deltan Dallagnol, divulgadas pelo site The Intercept.

"Não tenho nada a esconder e não mantenho diálogos fora do processo com as partes", declarou o ministro do Supremo ao ser questionado se temia ser alvo de hackeamento.

Desde o último domingo (9), o The Intercept tem apresentado conversas antigas entre Moro e Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da operação Lava Jato. A Constituição proíbe que julgadores mantenham vínculos com partes dos processos que analisam. O site não deu detalhes da fonte que repassou as mensagens e em nenhum momento afirmou ter obtido o conteúdo por meio de hackeamento.

Nesta semana, a PF (Polícia Federal) abriu investigação para apurar diversas denúncias de invasão cibernética a dispositivos eletrônicos de juízes e membros do MPF (Ministério Público Federal). Em nota divulgada ontem, a Lava Jato afirmou que a ocorrência de supostos novos ataques levantava a suspeita de que as conversas já vazadas poderiam ter sido forjadas por hackers.

Nova conversa entre Moro e Dallagnol é divulgada

Band Notí­cias

Sem vocação

Além de dizer que as revelações de conversas do então juiz com membros da Lava Jato "enxovalharam" o perfil de Sergio Moro, Marco Aurélio voltou a dizer que o atual ministro da justiça não é vocacionado para a magistratura.

"Antes desse problema todo [do vazamento de conversas], que enxovalhou o perfil dele, eu disse lá atrás que ele [Moro] era não era vocacionado ao cargo de juiz. Mantenho [a convicção]", disse.

O ministro também declarou que Moro "virou as costas à cadeira" de juiz, referindo-se ao momento em que ele se exonerou do cargo para assumir o Ministério da Justiça.

"Se fosse de família muito rica, eu admitiria que ele deixasse a cadeira para ter o ócio com dignidade, mas não é", afirmou.

O membro do STF disse ainda não saber as consequências dos vazamentos para os processos envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Não sei a consequência, porque o fato consumado no Brasil, e me refiro à condenação que já existe, tem uma força muito grande."

O que Moro fez não tem preço, diz Bolsonaro

UOL Notícias

Mais Vazamentos da Lava Jato