PUBLICIDADE
Topo

Operação Lava Jato

Conteúdo publicado há
8 meses

Lava Jato teve influência dos EUA em conexão com Moro, diz Le Monde

O ex-juiz federal Sergio Moro - Arquivo/Agência Brasil
O ex-juiz federal Sergio Moro Imagem: Arquivo/Agência Brasil

Do UOL, em São Paulo

11/04/2021 13h31

O jornal francês Le Monde publicou hoje uma longa reportagem, em que afirma que houve influência do governo dos Estados Unidos na criação da Operação Lava Jato, com conexão com ex-juiz Sergio Moro, um dos responsáveis por julgar os processos. No texto, o jornal diz que a força-tarefa serviu a "vários interesses, mas não à democracia".

Para sustentar a teoria, o jornal volta ao período da gestão de George W. Bush, que governou os Estados Unidos entre janeiro de 2001 e janeiro de 2009. Segundo o Le Monde, a administração do então presidente norte-americano buscou "aumentar a ação antiterrorista de Brasília" e tentou criar uma "uma rede de especialistas locais, capazes de defender as posições americanas 'sem parecerem joguetes' de Washington". O termo, segundo o jornal, foi utilizado pelo "embaixador Clifford Sobel em um telegrama diplomático americano".

Na sequência, o texto diz que Moro "estava colaborando ativamente com as autoridades dos Estados Unidos no caso Banestado". E que, então, foi "abordado para participar do Programa de Visitantes Internacionais do Departamento de Estado". "Ele aceita. Uma viagem foi organizada para os Estados Unidos em 2007, durante a qual ele fez uma série de contatos dentro do FBI, do DoJ [Departamento de Justiça] e do Departamento de Estado."

A reportagem do Le Monde não indica se ouviu Moro nem se pediu seu posicionamento a respeito das afirmações feitas a respeito dele. O UOL procurou a assessoria do ex-juiz, mas ele ainda não se manifestou sobre a reportagem do veículo francês.

Mais adiante, o texto diz que Moro participou, em novembro de 2009, de um evento ligado à Polícia Federal em Fortaleza, que também recebeu Karine Moreno-Taxman, uma procuradora dos Estados Unidos especializada na luta contra a lavagem de dinheiro e o terrorismo.

Em seu discurso, ela disse que, "em caso de corrupção, você deve sistematicamente e constantemente ir atrás do 'rei' para derrubá-lo". "Para que o judiciário condene alguém por corrupção, é preciso que o povo odeie essa pessoa", ela disse, segundo o jornal. "A sociedade deve sentir que esta pessoa realmente abusou de sua posição e exigir sua condenação".

O jornal lembra que, em nenhum momento, o nome de Lula —cujo governo promoveu o esquema do "mensalão"— foi citado. "Mesmo que ele esteja na mente de todos, ninguém imagina que ele se tornará o 'rei' mencionado por Moreno-Taxman. No entanto, é isso que vai acontecer", pressupõe o Le Monde.

No início do texto, o jornal diz acreditar que a Lava Jato estava obcecada em bloquear o PT. O Le Monde indicou que, por meses, fez "investigações, entrevistas e pesquisas" para entender os acontecimentos envolvendo o Brasil e a Lava Jato.

Já no governo de Barack Obama, pontua o Le Monde, os Estados Unidos teriam enviado a Curitiba, em outubro de 2015, membros de organizações do país, como o FBI, a polícia federal norte-americana, para receber "explicações sobre os procedimentos em andamento". O jornal falou de um acerto entre a força-tarefa da Lava Jato e autoridades americanas. O MPF (Ministério Público Federal) não foi ouvido para dar seu posicionamento no jornal francês.

Ao citar as mensagens vazadas a partir de reportagens do site The Intercept Brasil, o Le Monde ainda faz uma inferência sobre Moro. Por um comunicado à imprensa, o jornal diz, é informado que o ex-juiz então ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (sem partido), visitou os Estados Unidos entre 15 e 19 de julho de 2019. "Ele aproveitou a visita para consultar seus homólogos?", sugere o veículo de comunicação francês.

O jornal lembra que, após deixar o governo Bolsonaro, Moro integrou-se à consultoria Alvarez & Marsal, que tem sede nos Estados Unidos, perto da Casa Branca. "O anúncio chega em novembro de 2020, durante as eleições municipais no Brasil. Ficamos sabendo que o ex-juizinho de Curitiba foi recrutado pelo escritório Alvarez & Marsal", indica o Le Monde.

Operação Lava Jato