PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Militares acham meia tonelada de maconha do CV enterrada no Alemão

Luis Kawaguti

Do UOL, no Rio

23/08/2018 13h57

Militares do Exército e policiais civis da Core (Coordenadoria de Recursos Especiais) apreenderam cerca de 500 kg de maconha na favela da Grota (zona norte do Rio). A droga foi encontrada durante operação nos complexos de favelas do Alemão, Penha e Maré que ocorre desde o início da semana.

De acordo com o Comando Conjunto da intervenção, a apreensão dos 500 kg de maconha representa perda financeira de cerca de R$ 2,4 milhões para a facção criminosa Comando Vermelho.

O entorpecente estava prensado em 486 tabletes escondidos em um buraco que funcionava como depósito de drogas em uma área de difícil acesso em um matagal. Com essa apreensão, o total de maconha da facção criminosa encontrado nos três complexos de favelas durante a operação passa de uma tonelada (1.054 quilos).

A droga foi encontrada na quarta-feira (22), mas a apreensão só foi divulgada nesta quinta-feira (23).

O Comando Conjunto da intervenção afirmou que o local foi descoberto a partir de denúncias anônimas e informações obtidas pelo setor de inteligência. Denúncias podem ser feitas anonimamente pelo telefone (21) 2253-1177.

Depósito de maconha do Comando Vermelho ficava na Favela da Grota - Comando Conjunto / CML - Comando Conjunto / CML
Depósito de maconha do Comando Vermelho ficava na Favela da Grota
Imagem: Comando Conjunto / CML

Desde o início da intervenção em 16 de fevereiro, as Forças Armadas realizaram mais de 80 operações ostensivas de ocupação e patrulhamento em favelas do Rio de Janeiro. Críticos afirmam que esse tipo de ação seria ineficiente, pois os traficantes de drogas retomam o controle do território assim que os militares deixam ao local. Eles dizem ainda que a ação expõe moradores ao risco de serem atingidos por balas perdidas.

Os interventores dizem que as ações são emergenciais e não visam resolver o problema estrutural da segurança, mas enfraquecer o crime organizado.

Desde o início da ação nas 26 favelas que formam os complexos do Alemão, Penha e Maré e abrigam mais de 500 mil pessoas, oito pessoas morreram baleadas --cinco suspeitos e três militares do Exército. Ao menos 70 pessoas foram presas, entre elas dois líderes do Comando Vermelho que comandavam o tráfico nos morros do Jacarezinho (zona norte) e Antares (zona oeste).

A operação também gerou críticas de moradores, que afirmaram ter tido suas casas invadidas por militares e disserem que as autoridades não estariam deixando familiares ter acesso a supostos corpos que se encontrariam em um matagal.

As Forças Armadas negaram a invasão de domicílios e levaram três líderes comunitários ao matagal, onde nenhum corpo foi encontrado. Fontes militares atribuíram ao menos parte das denúncias a um trabalho de contrainformação realizado por simpatizantes do Comando Vermelho.

O promotor da Justiça Militar Jorge Augusto Lima Melgaço disse na segunda-feira (20) que a operação foi desempenhada dentro da lei.

Cotidiano