Topo

Turquia fecha fronteira com a Síria após fuga de curdos ameaçados pelo EI

22/09/2014 12h30

A Turquia decidiu bloquear trechos de sua fronteira com a Síria, nesta segunda-feira (22), após receber uma onda de mais de 130 mil sírios, nos últimos dias, fugindo das perseguições do grupo radical Estado Islâmico, de acordo com reportagem do jornal “Washington Post”.

A região curda da Síria, vítima da incursão mais recente do EI, se viu vulnerável e com fracas forças de defesa, o que obrigou a população a sair em fuga. Se a fronteira com a Turquia permanecer fechada, esses civis podem ficar sem alternativa de defesa.

“As fronteiras oficiais com a Turquia estão fechadas pelas autoridades turcas”, disse Redur Xelil, porta-voz das Unidades de Proteção Popular, um dos grupos curdos combatendo o Estado Islâmico. “Mas, os refugiados estão atravessando pelas cercas de arame farpado em algumas áreas”, afirmou.

A agência de notícias EFE noticia que os combatentes do EI estariam a cinco quilômetros da fronteira entre os dois países.

Muitos veículos foram abandonados no lado sírio pelas famílias curdas que fogem rumo ao norte após ser negada a elas a possibilidade de atravessar a fronteira em seus carros.

Na sexta-feira, a Turquia abriu oito passagens improvisadas no alambrado que a separa da Síria, mas apenas duas estão funcionando desde ontem. O trajeto oficial de trânsito entre os dois países é mantido fechado.

Todos os que entram são registrados e encaminhados, em sua maioria, a parentes na região fronteiriça, de acordo com o vice-premiê turco, Numan Kurtulmus, segundo quem está tudo sob controle. Mas, para o deputado turco Nurettin Demir, de oposição, a situação é crítica.

"As pessoas não vêm sozinhas, trazem seus rebanhos, já que necessitam dos animais para sobreviver. Muitas pessoas têm problemas de saúde, e seria preciso enviar unidades médicas móveis. Também seria preciso distribuir comida aos que estão esperando para entrar na Turquia", afirmou o deputado.

Um acampamento provisório para 10 mil pessoas foi aberto, enquanto as pessoas mais vulneráveis foram enviadas para alguns dos 22 acampamentos já estabelecidos e mais equipados, segundo informações do Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados).

Desde o início da recente guerra civil na Síria, envolvendo forças do governo Bashar Assad e rebeldes nos últimos três anos e meio, a Turquia recebeu mais de 1,5 milhão de refugiados sírios. (Com agências internacionais de notícias)

Entenda a violência no Iraque

  • O que está acontecendo?

    Desde que as tropas americanas saíram do Iraque, em 2011, o grupo islâmico EI vem rapidamente ocupando cidades do país. Desde junho, já tomou Mosul, segunda maior cidade e bastião da resistência à ocupação dos EUA e aliados, e partes de Tikrit, cidade de Saddam Hussein próxima da capital Bagdá

  • Quem está atacando?

    O EI (Estado Islâmico), um grupo islamita sunita que surgiu da união de diversos grupos que lutaram contra a ocupação do Iraque pelos EUA e que recentemente criou um califado nas áreas sob o seu controle no Iraque e no Levante (parte de Síria e Líbano). Seu principal líder foi Al-Zarqawi, morto em 2006. Hoje a liderança tem vários nomes, mas o principal é Al-Baghdadi

  • O que é um califado?

    É uma forma de governo centrada na figura do califa, que seria um sucessor da autoridade política do profeta Maomé, com atribuições de chefe de Estado e líder político do mundo islâmico. O Estado, que seguiria rigorosamente a lei do Islã, compreenderia a região entre o mar Mediterrâneo e o rio Tigre

  • Qual a força do EI?

    O grupo, que recebe grandes doações ocultas de dinheiro, tem milhares de militantes, inclusive "jihadistas" americanos e europeus, e se aproveita da disputa entre o governo de Maliki, apoiado pelos xiitas, e a minoria sunita para conquistar espaço. Acredita-se que seja patrocinado por governos da região. Embora seja considerado um braço da Al-Qaeda, se rebelou e foi expulso pelo líder Al-Zawahiri

  • Qual o papel dos EUA?

    Alegando risco de genocídio, o presidente dos EUA, Barack Obama, determinou o bombardeio de áreas controladas pelos militantes do EI no norte do país. Os EUA também estão fornecendo armas e munição aos curdos para que combatam o movimento

  • Quem está na mira do EI?

    Cerca de 50 mil membros da minoria yazidi, que estão isolados em montanhas no noroeste do Iraque, sem comida nem água, depois de terem fugido de suas casas, e cristãos, que chegaram a ser crucificados. Mulheres tem sido forçadas a se submeter à mutilação genital e usar véus cobrindo o corpo inteiro

  • O Iraque pode se dividir?

    Apesar de o governo central de Bagdá ainda controlar oficialmente as províncias do país, é possível que haja a fragmentação em ao menos três territórios. Isso porque a divisão do Iraque entre árabes sunitas, xiitas e curdos já está bem avançada

Cidades sob controle do Estado Islâmico ou sob ameaça de ataques na Síria e Iraque - Arte UOL
Cidades sob controle do Estado Islâmico ou sob ameaça de ataques na Síria e Iraque
Imagem: Arte UOL

Internacional