Topo

Turquia descarta ofensiva terrestre sozinha contra o EI

Em Ancara

09/10/2014 07h16Atualizada em 09/10/2014 07h48

O governo turco descartou nesta quinta-feira (9) uma ofensiva terrestre de seu Exército no norte da Síria para conter o avanço do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) sobre a cidade sírio-curda de Kobani.

Após um encontro com o novo secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, declarou à imprensa que "não é realista esperar que a Turquia faça uma operação terrestre sozinha".

"Continuamos falando com nossos aliados. Quando uma decisão conjunta for tomada, a Turquia apresentará sua parte", disse o ministro turco em entrevista coletiva em Ancara.


Iraque e Síria são vizinhos e 'compartilham' rebeldes - Arte UOL
Iraque e Síria são vizinhos e 'compartilham' rebeldes
Imagem: Arte UOL

A Turquia está sob crescente pressão interna, sobretudo de parte da população curda, de atuar no norte da Síria para evitar que a importante cidade de Kobani caia nas mãos do EI.

Para isso, Ancara pediu reiteradas vezes para se estabelecer uma zona de exclusão aérea e de contenção ao longo de sua fronteira com a Síria, algo que, segundo disse Stoltenberg hoje, não foi debatido até agora na Aliança Atlântica.

"Não existe uma solução simples. Isto (a zona de exclusão) não esteve sobre a mesa dos debates da Otan. (...) A Turquia ajuda muito ao acolher enormes números de (refugiados) sírios", disse o norueguês.

Além disso, o responsável da Otan disse que o grupo jihadista não só constitui um perigo para Iraque e Síria, mas também para outros países da região e para a Otan.

"A Otan faz seu papel", disse Stoltenberg, ao prometer que a Aliança defenderá a Turquia contra qualquer ameaça.

O secretário-geral da Otan destacou, além disso, a importância da coalizão internacional, liderada pelos Estado Unidos, contra o EI.

"Estou também satisfeito com a decisão do Parlamento turco (de autorizar o envio de tropas turcas ao exterior e permitir tropas estrangeiras em seu território) e da vontade (turca) de ter um papel mais ativo", disse Stoltenberg.

 

Mais Notícias