Topo

Clique Ciência: o que mantém as flores frescas depois de cortadas?

Do UOL, em São Paulo

2014-04-23T06:00:00

23/04/2014 06h00

Ninguém gosta que flores recebidas murchem com o tempo. Ainda que seja um processo natural, é possível retardar esse efeito com o uso de refrigerantes de limão ou mesmo vodca.  As flores ficam melhor conservadas se, junto com a água, houver bebidas como essas no vaso.

A explicação científica para o que, a princípio, parece uma receita caseira sem fundamentos é simples. Quando cortadas, as flores são separadas de suas raízes e têm maior dificuldade para produzir energia. Para se manter frescas elas precisam usar elementos do meio, como água.

 Mas a água faz o caminho do caule até as flores de modo mais lento que líquidos com leve acidez. Além desses líquidos, as flores se beneficiam de açúcar para a produção de energia. Os refrigerantes cítricos contêm água e açúcar.

O problema dessa mistura é que, embora facilitem a produção de energia pela flor, podem também resultar na disseminação de bactérias. Essas bactérias podem danificar a flor. Um pouco de água sanitária na mistura impede o problema.

Especialistas recomendam que os refrigerantes não sejam usados sozinhos, mas misturados com água. A proporção dessa mistura não é consensual – há quem diga que a água e o refrigerante devem ocupar o mesmo volume e quem acredite que o volume de água deva ser três vezes maior.

Álcool nelas!

No caso da vodca, o efeito é diferente. Quando a vodca é adicionada à água do vaso, preserva o buquê por dificultar a produção de etileno, um gás que ajuda no amadurecimento das flores, supõe alguns pesquisadores.

Há, contudo, uma séria restrição ao uso de vodca. As flores não costumam sobreviver quando expostas a um grande volume de álcool. Por isso, é preciso diluir bem a vodca na água, de modo que o álcool seja menos de 8% da mistura. É preciso lembrar que 40% da vodca é álcool.

Mais dicas

Outras estratégias ajudam a manter as flores frescas. Algumas dicas são cortar a parte final do caule das flores, o que ajuda a impedir a disseminação de bactérias, e trocar a água do vaso a cada três dias.

De qualquer modo, não importa o esforço que seja feito, em algum momento as flores irão morrer. Nesse momento, talvez seja mais fácil ir até a floricultura mais próxima e comprar um novo buquê. Ou esperar pela próxima ocasião para presentear alguém.

Mais Ciência e Saúde