Clique Ciência: Animais podem se bronzear ou o sol faz mal para os pets?

Aretha Yarak

Do UOL, em São Paulo

  • Thinkstock

No verão, os passeios com o seu cachorro podem exigir um pouquinho mais de atenção. Assim como nós, os animais de estimação também precisam se proteger contra os raios ultravioletas e o calor intenso da temporada.

Engana-se quem acredita que eles não desenvolvem câncer de pele ou que não sofrem queimaduras solares, principalmente nas regiões mais sensíveis, como focinho, olhos e orelhas.

O excesso de exposição solar pode deixar a pele dos animais avermelhada e, em algumas situações, até levar ao aparecimento de manchinhas escuras. 

"Isso de ficar muito tempo no sol, pegar uma corzinha, descascar e depois voltar à cor normal, não acontece com eles", explica Luiz Eduardo Bagini Lucarts, veterinário e presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária.

Ou seja, mesmo que você leve seu cachorro para um banho de Sol e passe horas na praia, ele não vai voltar moreninho. É mais provável, caso você exagere, que ele fique com alguma queimadura solar ou até mesmo desenvolva um câncer de pele.

Jhon Paz/Xinhua

De pelo branquinho

As doenças, no entanto, não são tão comuns e tendem a acontecer em cães e gatos de pelagem branco e/ou com áreas rosadas –pálpebras, lábios, abdome e nariz.

"Além da queimadura, pode ocorrer ainda a dermatite actínica, que é uma lesão pré-cancerígena", comenta a veterinária Ana Claudia Balda, coordenadora curso de medicina veterinária da FMU.

Os animais que sofrem mais com a exposição excessiva às radiações ultravioletas são os gatos brancos e os cães das raças bull terrier, boxer, pit bull, dálmata e dogo argentino.

Proteger seu pet é fácil. Abuse do filtro solar com FPS 30 (no mínimo) que seja, de preferência, veterinário. Normalmente, eles são à prova d'água, de rápida absorção e têm gosto amargo para evitar que o animal lamba. Caso sejam ingeridos, eles não costumam fazer mal à saúde dos peludos.

O protetor solar humano também pode ser usado, mas exige que alguns cuidados sejam tomados. É que eles podem fazer mal se o animal lamber a área com o produto, então monitore seu bichano, e privilegie um produto sem perfume e hipoalergênico.

Getty Images

Nos dias de Sol muito quente, evite ainda fazer passeios das 10h às 16h, horário em que os raios ultravioletas estão mais fortes.

Apesar dos problemas em relação à exposição excessiva ocorrerem na região do focinho e do abdome, onde o pelame por natureza já é mais escasso, evite a tosa completa nos cães de pele clara. "O pelo funciona como uma barreira mecânica contra o Sol e ajuda a proteger a pele", explica Lucarts.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos