Topo

Vazamentos da Lava Jato


Moro liga hacker a vazamentos, e editor rebate: investigado devia ser você

2.jul.2019 - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, em audiência na Câmara dos Deputados - Gabriela Biló/Estadão Conteúdo
2.jul.2019 - O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, em audiência na Câmara dos Deputados Imagem: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

Alex Tajra

Do UOL, em São Paulo

24/07/2019 17h14

Após a prisão de quatro suspeitos ontem, pela Polícia Federal, na esteira de um inquérito que investiga invasões em telefones celulares de autoridades, o ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) afirmou em suas redes sociais hoje que os alvos da PF seriam a fonte dos vazamentos ao site The Intercept Brasil.

O jornalista Leandro Demori, editor do The Intercept Brasil e corresponsável pela autoria de parte das reportagens publicadas, rebateu Moro.

"Parabenizo a Polícia Federal pela investigação do grupo de hackers, assim como o MPF e a Justiça Federal. Pessoas com antecedentes criminais, envolvidas em várias espécies de crimes. Elas, a fonte de confiança daqueles que divulgaram as supostas mensagens obtidas por crime", escreveu Moro.

"Nunca falamos sobre a fonte. Essa acusação de que esses supostos criminosos presos agora são nossa fonte fica por sua conta. Não surpreende vindo de quem não respeita o sistema acusatório e se acha acima do bem e do mal. Em um país sério, o investigado seria você", escreveu em sua rede social.

O veículo, encabeçado no Brasil pelo jornalista norte-americano Glenn Greenwald, vem publicando desde o dia 9 de junho mensagens atribuídas a Moro e aos procuradores da Força-Tarefa da Operação Lava Jato. Nem o site e nem as autoridades que investigam o caso confirmaram até o momento relação entre as pessoas detidas e os vazamentos publicados.

Desde o início das divulgações, o site afirma que recebeu um arquivo extenso por meio de uma fonte anônima, semanas antes de vir à tona as supostas invasões em celulares e aplicativos de mensagens das autoridades.

Moro e o chefe da Força-Tarefa da Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol, afirmam que as publicações do The Intercept Brasil são provenientes de ataques criminosos de 'hackers'.

Operação Spoofing

A Polícia Federal prendeu ontem Danilo Cristiano Marques, Gustavo Henrique Elias Santos, Suelen Priscila de Oliveira e Walter Delgatti Neto na Operação Spoofing, que apura a tentativa de ataque hacker ao celular do ministro Sergio Moro e às contas de Telegram de outras quatro autoridades. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o celular de Moro foi invadido em 4 de junho e os supostos invasores chegaram a trocar mensagens por seis horas.

As suspeitas de invasão hacker ao celular do procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato em Curitiba, não constam dessa investigação, mas do inquérito aberto pela PF na capital paranaense.

Na decisão que embasou as prisões temporárias, o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara do Distrito Federal, que relatórios financeiros apontaram movimentações suspeitas em nome de dois dos quatro investigados. O magistrado diz que há "fortes indícios" de que os quatro integram organização criminosa.

"Diante da incompatibilidade entre as movimentações financeiras e a renda mensal de Gustavo e Suelen, faz-se necessário realizar o rastreamento dos recursos recebidos ou movimentados pelos investigados e de averiguar eventuais patrocinadores das invasões ilegais dos dispositivos informáticos (smartphones)", escreveu Oliveira.

Mais Vazamentos da Lava Jato