Topo

UOL faz parceria com Intercept em reportagens sobre mensagens da Lava Jato

Do UOL

07/08/2019 04h01

O UOL fechou parceria com o site The Intercept Brasil e publica hoje a sua primeira reportagem com base em mensagens privadas mantidas por procuradores da Operação Lava Jato e pelo ex-juiz Sergio Moro no aplicativo Telegram enviadas ao Intercept por uma fonte anônima.

A reportagem revela que o procurador Deltan Dallagnol, chefe da Operação Lava Jato em Curitiba, usou a Rede Sustentabilidade, partido de Marina Silva, como uma espécie de laranja para extrapolar suas atribuições e propor uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) contra o ministro Gilmar Mendes.

Os arquivos, que abarcam período de 2014 até este ano, reúnem conversas privadas e em grupos no Telegram, além de documentos e outros itens.

O Intercept, que deu início em 9 de junho à série de reportagens baseadas nas conversas vazadas, recebeu os arquivos de uma fonte anônima. Com a parceria, o Intercept permite o livre acesso de repórteres do UOL ao arquivo. A produção de reportagens se dará de maneira conjunta, com jornalistas de ambos os veículos de comunicação.

A Constituição Federal assegura a jornalistas o sigilo da fonte. Diz o inciso 14 do artigo 5º da Carta Magna: "é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional".

A decisão do UOL em analisar as mensagens mira o interesse público. O UOL não cometeu ato ilícito para obter informações e pode, no entanto, publicar informações que foram fruto de ato ilícito se houver interesse público no material apurado.

As reportagens produzidas por UOL e Intercept terão como ponto de partida a confrontação do teor das mensagens com fatos e dados concretos. É o caso da primeira reportagem, ora publicada, que mostra que dois dias após Dallagnol dizer em chat com procuradores que o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) havia concordado em propor uma ADPF (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental) no STF contra Gilmar Mendes, a ação foi de fato protocolada pelo partido político do qual o parlamentar é uma das lideranças.

O UOL manterá reservada qualquer comunicação ou informação desprovida de real interesse público assim como investigações possivelmente em curso.

O Intercept também fechou parcerias com o jornal Folha de S.Paulo, com a revista Veja e com o site El País, que já publicaram reportagens baseadas nos mesmos arquivos. O trabalho de reportagem desses veículos não identificou indícios de que o material possa ter sido adulterado.

Mensagens já reveladas indicam colaboração entre Moro e a Lava Jato de Curitiba. Segundo a lei, o juiz não pode auxiliar ou aconselhar nenhuma das partes do processo.

Em 23 de julho, a PF (Polícia Federal) prendeu quatro suspeitos de hackear celulares de autoridades --eles permanecem detidos preventivamente (por período indeterminado).

Segundo a PF, Walter Delgatti Neto, um dos suspeitos, disse ter invadido celulares e encaminhado conversas ao jornalista Glenn Grennwald, editor do Intercept, de forma anônima, voluntária e sem cobrança financeira. O Intercept tem reiterado que não comenta a fonte do lote de mensagens.

Após as publicações, Moro disse não reconhecer a autenticidade das mensagens obtidas pelo Intercept, definiu sua divulgação como sensacionalista e nega ter cometido ilegalidades como juiz de 1ª instância da Lava Jato em Curitiba (PR).

Os procuradores têm dito que não reconhecem as mensagens atribuídas a eles e que o material "não pôde ter seu contexto e veracidade comprovado".

Mais Política