Caminhoneiro inova com tatuagem que se "move" e faz sucesso na web; veja

Colaboração para o UOL

Uma tatuagem bizarra tem causado reações positivas e negativas na internet. Classificada como "a primeira do tipo no mundo" pelo tatuador, Richard Batey, ela consiste em dois bracinhos saindo da cabeça e "dirigindo" o corpo do eleito para receber a arte. O caminhoneiro Kenny Ollerenshaw consegue fazer a tatuagem ganhar vida e se "mover".

Reprodução/Facebook
Caminhoneiro Kenny Ollerenshaw inova em tatuagem que é capaz de se mover

O trabalho feito na Inglaterra já é um sucesso na internet. Até o momento, a imagem publicada já tem mais de 1,1 milhão de visualizações e 2 milhões de curtidas no Facebook, segundo Batey. "Eu não esperava que fosse viralizar, e é tudo um pouco louco. Meu filho disse para mãe que eu sou famoso", contou Kenny para o site "News and Star".

Ex-trabalhador da indústria automotiva, Batey disse que já tinha há tempos vontade de criar essa tatuagem: "Eu tenho essa ideia por anos, mas precisava do cliente com personalidade certa para fazê-la", escreveu em seu Facebook.

A obra, que ainda não foi finalizada, foi chamada pelo seu autor de ACME (sigla em inglês para Engenharia Mecânica Cibertrônica Automotiva), e foi feita na cidade de Carlisle, na Inglaterra.

"É o que eu chamo de tatuagem interativa e é mais um choque do que qualquer coisa", explicou Batey. "Ela tem a habilidade de fazer uma sala inteira com pessoas sorrir e dar risadas", completou. Segundo o tatuador, a primeira sessão demorou quatro horas, mas ainda há "muito pela frente".

Sobre as reações diante da tatuagem diferente, Kenny foi direto: "Penso que se as pessoas não gostarem elas simplesmente não precisam ter uma igual", completou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos