Topo

CarnaUOL

Salvador


Governador da BA estimula paquera no Carnaval e dá conselho amoroso

Alexandre Santos e Nathan Lopes

Colaboração para o UOL, em Salvador, e do UOL, em São Paulo

03/03/2019 13h58

Para o governador da Bahia, Rui Costa (PT), "o dengo, o namoro, a paquera no Carnaval é maravilhosa". "Mas desde que a parceira, a mulher queira, aceite e deseje também o relacionamento", disse em entrevista à TVE durante passagem pelo circuito Osmar, no Campo Grande, no Carnaval de Salvador. O recado foi dado após Costa falar sobre a campanha "Respeita as Minas". "Senão, a Secretaria de Mulheres me puxa a orelha", brincou com a apresentadora Rita Batista. 

"Se você vem pro Carnaval, faça de conta que aquela jovem, aquela mulher que está na sua frente poderia ser a sua irmã, sua filha ou sua mãe. Então, respeite as mulheres", disse.

O governador pediu que os foliões participem da festa com o "coração cheio de paz, de amor". "Para namorar, excelente. Eu já namorei muito no Carnaval. Hoje, não, que estou casado, muito bem casado com dona Aline, meu amor, um beijo", disse, em referência à primeira-dama da Bahia, Aline Peixoto, com quem é casado desde 2012. 

Na entrevista, Costa ainda aconselhou os solteiros. "Dá uma paquerada. Se for aceito o namoro, ótimo, excelente. Se não for aceito, siga em frente e mais na frente você terá a sorte de encontrar a mulher que lhe queira de braços abertos. Aí é muito mais gostoso", comentou.

Rui Costa, governador da Bahia, e a primeira-dama, Aline Peixoto - Raul Spinassé - 28.fev.2019/Folhapress
Rui Costa, governador da Bahia, e a primeira-dama, Aline Peixoto
Imagem: Raul Spinassé - 28.fev.2019/Folhapress

Mais cedo, em entrevista a jornalistas no Campo Grande, o governador voltou a lamentar a morte de Arthur, 7, neto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que deixou a prisão em Curitiba para acompanhar o velório em São Bernardo do Campo (SP). Costa também participou a cerimônia.

O governador se disse abatido com a situação.. "Eu estou muito sentido com toda a dor que presenciei ontem", disse. "Bate um certo calafrio. A gente fica perplexo sobre como a vida é frágil", comentou, informando que deve passar o restante do Carnaval com suas filhas em casa. 

Carnaval menor

Antes, em entrevista a jornalistas no Campo Grande, Costa defendeu uma redução no calendário do Carnaval de Salvador, evento que, oficialmente, dura sete dias. Segundo o governador, das 45 cidades apoiadas pela gestão estadual no período momesco, a capital baiana é a única a ter uma festa extensa.

"Nas outras cidades, não há esse calendário mais esticado. A única exceção é Salvador. Eu acho que o Carnaval, voltando ao que era o padrão anterior, consegue ter o mesmo fluxo de turistas e consegue, na minha opinião, ter um custo menor, tanto pela prefeitura quanto pelo governo do estado", sugeriu o gestor. 

Costa, entretanto, afirma que tal decisão caberia à administração municipal. "Não é o estado que organiza. Então, eu não posso falar de redução de Carnaval, porque isso cabe exclusivamente à prefeitura", declarou ele, evitando polemizar o tema com o prefeito ACM Neto (DEM), de quem é adversário político. 

"São visões diferentes. Tenho a visão de que a festa tem que ser grande, esplendorosa, mas não precisa de tantos dias", disse o governador.

Mais Salvador