PUBLICIDADE
Topo

Vazamentos da Lava Jato

Procuradores calados e ação hacker detalhada: o dia seguinte da Lava Jato

Vinicius Konchinski

Colaboração para o UOL, em Curitiba

10/06/2019 19h52

O primeiro dia de trabalho após a divulgação de trocas de mensagens de integrantes da Lava Jato foi intenso. Nas salas ocupadas pela força-tarefa, localizadas em um prédio comercial no centro de Curitiba (PR), as reportagens do The Intercept foram o centro das conversas. A mobilização em defesa operação predominou.

Apesar de a própria Lava Jato dizer já ter sido "alvo de ataques" anteriormente, a avaliação geral é que o conteúdo das reportagens de The Intercept é "forte". Internamente, a força-tarefa vê dificuldades em se posicionar, já que sabe que outras revelações devem ser feitas em breve.

O teor dos posicionamentos dos membros da operação foi tema de consultas a todos os 15 procuradores da República que compõem o grupo de combate à corrupção do MPF-PR (Ministério Público Federal no Paraná).

O coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, que está de férias e fora de Curitiba, interrompeu seu recesso e decidiu gravar um vídeo de esclarecimentos, em que declarou ser "normal" procuradores conversarem com juízes e criticou a suposta ação hacker que obteve as mensagens. Entre as conversas divulgadas, há trocas entre ele e o ex-juiz federal Sergio Moro, atual ministro da Justiça e da Segurança Pública.

Deltan: conversa entre MP e juízes é "normal"

UOL Notícias

Nenhum pedido de entrevista foi atendido pela Lava Jato. Além do vídeo de Dallagnol, a operação divulgou uma nota na qual deu informações sobre o hackeamento de telefones celulares de seus integrantes. Ontem, a força-tarefa já havia divulgado comunicado condenando o vazamento das conversas entre procuradores.

De acordo com a Lava Jato, a interceptação de conversas mantidas pelos aparelhos ocorreu a partir de abril. O próprio MPF apura o caso. Uma investigação na Polícia Federal também foi iniciada.

Trabalho normal

Durante a tarde de hoje, a Lava Jato também decidiu responder "com trabalho" às críticas que vem sofrendo desde domingo. A operação ofereceu nesta tarde uma denúncia contra três ex-executivos do Banco Paulista suspeitos de lavar dinheiro oriundo de propinas pagas pela Odebrecht.

Esses executivos estão presos em Curitiba desde o mês passado. Haviam sido postos na prisão na última fase da Lava Jato, a 61ª.

Nesta ocasião, os procuradores não conversaram com jornalistas após a divulgação da denúncia. A comunicação limitou-se à divulgação de uma nota e da peça jurídica encaminhada à Justiça.

Vazamentos da Lava Jato