Topo

Operação Lava Jato


Procuradora criticada por Moro em vazamentos já contestou machismo e foro

Reprodução
Procuradora da República Laura Tessler é formada na UFPR e integra força-tarefa da Operação Lava Jato Imagem: Reprodução

Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo

2019-06-24T04:00:00

24/06/2019 04h00

Integrante da força-tarefa da Operação Lava Jato desde agosto de 2015, a procuradora da República Laura Tessler tem seu nome em evidência desde que mensagens trocadas por integrantes da Força-Tarefa da Lava Jato e o então juiz Sergio Moro, atual ministro da Justiça, vieram a público em reportagens do site The Intercept Brasil.

Ela foi citada na primeira matéria dos vazamentos, em que criticava a decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), de autorizar uma entrevista do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em outubro de 2018. Na última quinta, Laura voltou a ser mencionada quando o blogueiro do UOL Reinaldo Azevedo informou que a procuradora foi criticada pelas suas atitudes por Moro e acabou sendo retirada do processo do caso tríplex de Lula.

Em declarações anteriores à imprensa, Laura afirma já ter sido alvo de machismo por parte de investigados. "Vai falar grosso? Eu também sei falar", afirmou a procuradora, em entrevista ao jornal El País concedida em março do ano passado, ao explicar como teria reagido a uma grosseria de um alvo da Lava Jato.

Na mesma entrevista, ela afirmou que não há diferença de tratamento entre os integrantes da força-tarefa. "Seria contraditório não ter igualdade se trabalhamos por justiça". Dos 14 integrantes do grupo, três são mulheres.

Dois meses depois, em entrevista à rádio Jovem Pan, Laura Tessler defendeu restrições ao foro privilegiado ao afirmar que o número de autoridades com essa prerrogativa é excessivo."O foro privilegiado é errado. Não é porque é Judiciário, Executivo ou Legislativo. Acho que tem que ser restrito a todas as autoridades."

Gaúcha de nascimento, a procuradora formou-se em direito pela UFPR (Universidade Federal do Paraná). Até o presente momento, ela não comentou publicamente as mensagens divulgadas pelo The Intercept Brasil.

Afastada do caso tríplex

O blogueiro do UOL Reinaldo Azevedo afirma que a procuradora foi retirada das audiências do processo do tríplex, que tinha o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como principal réu, dois dias após ela ter sido criticada por Moro, pelo seu desempenho em "inquirição" em audiência.

De acordo com a apuração de Azevedo e com as mensagens divulgadas pelo The Intercept Brasil, Dallagnol e o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima decidiram trocar os integrantes que atuariam nas audiências do processo, inclusive no interrogatório de Lula, realizado no dia 10 de maio de 2017. Laura nunca mais participaria de outra audiência do caso.

A assessoria de imprensa do Ministério da Justiça informou que não reconhece a autenticidade da "suposta mensagem atribuída" ao ministro, "pois pode ter sido editada ou adulterada pelo grupo criminoso, que mesmo se autêntica nada tem de ilícita ou antiética". A Lava Jato disse que a informação é "falsa" e informou que a procuradora continuou no processo envolvendo o ex-ministro Antonio Palocci, mas não citou datas referentes ao processo do tríplex.

Entrevista à Folha é "revoltante"

Outra reportagem do The Intercept Brasil mostrou que a procuradora Laura Tessler usou palavras fortes para criticar a decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal de Federal), tomada em setembro de 2018, de autorizar a entrevista de Lula ao jornal Folha de S.Paulo.

"Que piada!!! Revoltante!!! Lá vai o cara fazer palanque na cadeia. Um verdadeiro circo. E depois de Mônica Bergamo, pela isonomia, devem vir tantos outros jornalistas? E a gente aqui fica só fazendo papel de palhaço com um Supremo desse?", escreveu em um chat dos procuradores da Lava Jato no aplicativo de mensagens Telegram.

HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO CONTEÚDO
O procurador da República Deltan Dallagnol e o atual ministro da Justiça Sergio Moro Imagem: HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO CONTEÚDO

A procuradora também criticou a decisão da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de não se opor à entrevista: "Que palhaçada? Adora jogar pra plateia? Quer ganhar o apoio da imprensa ao nome dela"

Laura Tessler comentou ainda que uma entrevista de Lula antes do segundo turno poderia eleger o candidato Fernando Haddad (PT). A entrevista foi proibida por outra decisão do ministro Luiz Fux, do STF, e só seria realizada em abril de 2019, quase seis meses após a vitória de Jair Bolsonaro (PSL).

Além das audiências do caso tríplex, Laura Tessler trabalhou diretamente nas investigações que levaram a descoberta do setor de propinas da construtora Odebrecht e no esquema de corrupção envolvendo Palocci.

Mais Operação Lava Jato