Topo

Caso Marielle


Caso Marielle: miliciano é elo de Brazão com PM que fez falso testemunho

Vereadora assassinada Marielle Franco (Foto: Reprodução/ Internet) - Vereadora assassinada Marielle Franco (Foto: Reprodução/ Internet)
Vereadora assassinada Marielle Franco (Foto: Reprodução/ Internet)
Imagem: Vereadora assassinada Marielle Franco (Foto: Reprodução/ Internet)

Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo

28/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • PGR afirma que Brazão protegeu e usou PM para atrapalhar investigações
  • Miliciano do Escritório do Crime trabalha para político e protegeu PM
  • Brazão arquitetou o assassinato de Marielle Franco, afirma PGR

O miliciano Marcus Vinicius Reis Santos, o Fininho, é apontado como elo entre o político Domingos Brazão, suspeito de ser o mandante da morte de Marielle Franco, e o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha, que confessou ter prestado um falso testemunho que atrapalhou as investigações sobre o atentado.

A informação consta na denúncia enviada ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), no mês de setembro, pela então procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Desta forma, é possível delinear uma trama que liga o atentado, no qual também morreu o motorista Anderson Gomes, a um plano para atrapalhar as investigações.

O PM Rodrigo Ferreira era protegido de Domingos Brazão, diz PGR - ARMANDO PAIVA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO
O PM Rodrigo Ferreira era protegido de Domingos Brazão, diz PGR
Imagem: ARMANDO PAIVA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO

"Conforme consta do inquérito, ao se afastar de Orlando [Curicica], Rodrigo Ferreira pediu ajuda e proteção para Marcus Vinicius Reis dos Santos, vulgo Fininho, que trabalhava para Domingos Brazão, tendo ficado, portanto, sob a proteção de pessoas ligadas a Domingos Brazão", lê-se no documento obtido com exclusividade pelo UOL.

De acordo com uma conversa telefônica entre o vereador Marcello Sicilliano e o miliciano Jorge Alberto Moreth, o Beto Bomba, Fininho também seria o intermediário entre Brazão e os assassinos de Marielle e Anderson.

Fininho foi expulso da Polícia Militar do Rio de Janeiro, como consta na denúncia do Ministério Público Estadual do Rio Janeiro referente à Operação Intocáveis, que investiga a milícia de Rio das Pedras.

Escritório do Crime

Em reportagem publicada em 12 de julho, o UOL revelou o conteúdo de conversas telefônicas interceptadas com autorização da Justiça que confirmam a ligação de milicianos de Rio das Pedras, na zona oeste do Rio, com membros da família Brazão.

O miliciano conhecido como Fininho trabalha para Domingos Brazão - Reprodução/TV Globo
O miliciano conhecido como Fininho trabalha para Domingos Brazão
Imagem: Reprodução/TV Globo

Fininho foi preso em maio, apontado pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) como um dos integrantes da milícia, cujo braço armado é chamado de "Escritório do Crime", um grupo de matadores de aluguel.

Os chefes do Escritório do Crime são o major da PM Ronald Paulo Alves Pereira e o ex-policial militar Adriano Magalhães da Nóbrega, conhecido como Capitão Adriano, foragido desde janeiro. Ronald Paulo está preso e teria participado da trama do assassinato de Marielle e Anderson.

Os dois milicianos foram homenageados pelo então deputado estadual e atual senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) com honrarias na Alerj.

Por sua vez, Ferreirinha era integrante de outra milícia que atua na zona oeste do Rio e que era comandada pelo ex-PM Orlando Araújo, o Orlando Curicica. Após se desentender com o ex-chefe, Ferreirinha buscou abrigo na milícia de Rio das Pedras.

O falso testemunho

Ferrerinha foi levado por três delegados federais a prestar depoimento à Polícia Civil do Rio. Ele afirmou que os mandantes do atentado contra Marielle eram Curicica e o vereador Marcello Sicilliano. Depois, Ferreirinha confessou haver mentido para prejudicar o antigo chefe de sua quadrilha.

"Dessa forma, estando Rodrigo Ferreira sob a proteção de Domingos Brazão e tendo interesses escusos em prejudicar Orlando, Gilberto Ribeiro da Costa viu em Rodrigo Ferreira a pessoa ideal para prestar o falso testemunho e imputar a morte de Marielle e Anderson a Orlando Curicica", afirma Dodge, em sua denúncia.

O policial federal aposentado Gilberto Ribeiro da Costa é funcionário do gabinete de Brazão no TCE-RJ (Tribunal de Contas do Rio de Janeiro),

Brazão arquitetou o atentado, diz PGR

A Procuradoria-Geral da República também afirmou em denúncia enviada ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) que o político Domingos Brazão "arquitetou o homicídio" da vereadora Marielle Franco e visando manter-se impune, esquematizou a difusão de notícia falsa sobre os responsáveis pelo homicídio."

"Fazia parte da estratégia que alguém prestasse falso testemunho sobre a autoria do crime e a notícia falsa chegasse à Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, desviando o curso da investigação em andamento e afastando a linha investigativa que pudesse identificá-lo como mentor intelectual dos crimes de homicídio", lê-se na denúncia obtida com exclusividade pelo UOL.

Em outro pedido feito também ao STJ, Dodge pediu a federalização das investigações.

Brazão e todos os citados nesta reportagem sempre negaram envolvimento no caso.

Quem mandou matar Marielle? E mais perguntas sem respostas

UOL Notícias

Caso Marielle