Topo

Caso Marielle


Milhares vão às ruas no RJ e pedem manutenção de delegado do caso Marielle

Gabriel Sabóia

Do UOL, no Rio

14/03/2019 20h29

Na noite em que o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes cumpre um ano, milhares de pessoas se reuniram na Cinelândia, no centro do Rio de Janeiro, pedindo que as motivações do crime sejam averiguadas e que o delegado Giniton Lages seja mantido no caso.

Horas depois de apresentar os resultados da primeira etapa da investigação, que apontam dois suspeitos do assassinato, o delegado foi afastado do caso pelo governador Wilson Witzel (PSC), sob a alegação de que o policial irá estudar na Itália.

"Não podemos engolir as desculpas de um governador que esteve em uma manifestação em que uma homenagem à Marielle foi destruída. Ele vem dizer que não sabia que aquela placa tinha o nome dela?", disse uma manifestante em um palco armado no centro da cidade.

A fala se refere a um ato do ano passado. Ao lado de candidatos do PSL, Witzel, também em campanha, ergue o braço e discursa ao lado de uma placa quebrada em homenagem à Marielle.

Pela manhã, a mãe de Marielle, Marinete da Silva, afirmou que havia aceitado o pedido de desculpas do governador feito na véspera.

"Além disso, precisamos pedir a manutenção do delegado Giniton no caso. Ele não pode ser afastado agora!", prosseguiu a manifestante, aplaudida pela irmã de Marielle, Anielle Franco, também no palco.

Marielle: "Ninguém acredita que é só um crime de ódio", diz mãe em ato no Rio

UOL Notícias

O ato, realizado em frente à Câmara de Vereadores do Rio, onde Marielle trabalhava, não teve estimativa de público informada pela Polícia Militar. Em vários momentos, os presentes repetiram as palavras de ordem: "Marielle, presente! Anderson, presente!".

De acordo com Witzel, com a saída do delegado Lages, outro policial deve assumir a segunda fase da investigação, que centrará esforços em identificar o possível mandante do crime.

Caso Marielle