Topo

Caso Marielle


Perícia do MP afasta versão de porteiro sobre Bolsonaro, mas deixa lacuna

29.out.2019 - Jair Bolsonaro criticou reportagem em live em suas redes sociais - Reprodução
29.out.2019 - Jair Bolsonaro criticou reportagem em live em suas redes sociais Imagem: Reprodução

Igor Mello

Do UOL, no Rio

31/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Perícia do MP não apurou se algum áudio foi excluído do sistema do condomínio de Bolsonaro
  • Exame feito por técnicos encontrou gravação de Ronnie Lessa autorizando a entrada de Élcio de Queiroz no dia da morte de Marielle

Após um porteiro do condomínio Vivendas da Barra afirmar que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) autorizou a entrada no residencial de um dos acusados de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes no dia do crime, o Ministério Público do Rio de Janeiro afirma ter provado que a versão está equivocada. No entanto, uma perícia feita pelos técnicos do órgão apresenta lacunas e não afasta a possibilidade de que áudios do sistema de interfone tenham sido excluídos antes de serem entregues à Polícia Civil.

Bolsonaro mora na casa 58 do condomínio, enquanto o policial militar reformado Ronnie Lessa, acusado de ser um dos assassinos de Marielle e Anderson, morava na casa 65. No dia 14 de março de 2018, data do crime, o ex-policial Élcio de Queiroz esteve no local, segundo registro do livro de controle de acesso do Vivendas da Barra. Porém, a anotação diz que ele afirmou que iria à residência de Bolsonaro, conforme revelou a TV Globo.

Em dois depoimentos à DH (Delegacia de Homicídios), o porteiro disse que foi o "seu Jair" que autorizou a entrada de Élcio no local. Ao observar pelo circuito interno de TV que o visitante estava indo para outra casa, o porteiro diz que voltou a ligar para a casa de Bolsonaro. Ele conta que "seu Jair" afirmou saber onde Élcio estava indo.

As promotoras do Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado) dizem que há provas técnicas de que a versão do porteiro não corresponde à realidade. Elas chegaram a essa conclusão após perícia analisar os áudios gravados pelo sistema de interfone entre janeiro e março de 2018.

No dia do crime, há uma gravação em que Ronnie Lessa autoriza a entrada de Élcio. Não há registros de que o porteiro tenha ligado para a casa de Bolsonaro para autorizar a entrada do acusado de matar Marielle. Porém, a forma como a apuração foi feita não garante a integralidade dos arquivos.

Entrega voluntária

A perícia feita pelo MP nos áudios do sistema de interfone do Vivendas da Barra não avaliou a possibilidade de algum registro ter sido excluído antes de ser entregue à Polícia Civil. De acordo com as promotoras, o que foi avaliado pelos peritos foi se houve adulteração nos áudios recebidos pela DH. O material foi entregue neste mês à Polícia Civil pelo condomínio de forma voluntária.

"O quesito foi se a gravação é íntegra ou se há indícios de adulteração. O que os técnicos responderam é que não foram encontrados indícios de adulteração", explicou Simone Sibílio.

Ao ser questionada sobre a possibilidade de exclusão de áudios, a coordenadora do Gaeco não garantiu a integralidade do sistema. "O que foi auditado foi isso e a gente não pode elocubrar. O quesito foi esse e a resposta foi essa", disse.

A forma como os investigadores chegaram aos áudios da cancela foi intrincada. A Polícia Civil apreendeu o celular de Ronnie Lessa em março. Como o investigado não forneceu as senhas do aparelho, os peritos do MP só conseguiram acessar os dados no começo de outubro.

Ao analisarem o material, os investigadores notaram que Lessa recebeu em janeiro uma mensagem comprometedora de sua mulher, Elaine Pereira Figueiredo Lessa. Em janeiro, um dia antes de Ronnie e Élcio de Queiroz prestarem depoimento na DH (a dupla foi presa em março), ela enviou uma foto mostrando o registro da entrada de Élcio no dia do crime. Ela pede que o marido avise o parceiro sobre isso.

De posse dessa imagem, o MP obteve na Justiça a busca e apreensão do livro. Foi nesse contexto que o porteiro do condomínio foi ouvido e citou Bolsonaro.

Alguns dias depois, o administrador do Vivendas da Barra entregou voluntariamente uma mídia contendo as gravações feitas pelo sistema de interfone do condomínio. Ao comparar os áudios com o livro, foi constatado que os registros eram similares. Porém, não havia registro da ligação para a casa de Bolsonaro. Por outro lado, foi encontrado um áudio de Ronnie Lessa autorizando a entrada de Élcio.

A partir disso, os promotores descartaram o depoimento do porteiro, que não foi incluído na ação penal em que Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz respondem por homicídio qualificado, tentativa de homicídio, receptação e concurso material.

Foi aberto um inquérito sigiloso para apurar se houve dolo do porteiro ao dar sua versão para os fatos.

Ataques a Witzel e TV Globo

Após a publicação da reportagem, Jair Bolsonaro e seus aliados fizeram uma série de ataques à TV Globo e a Wilson Witzel, governador do Rio. Em transmissão nas redes sociais feita da Arábia Saudita, onde o presidente participa de viagem diplomática, Bolsonaro se isentou de responsabilidade pelo crime e fez duras críticas à imprensa, sobretudo à Globo, pelas reportagens que envolvem não apenas ele, mas também seus familiares.

Ele ainda insinuou que as informações do processo, que está sob sigilo, teriam sido vazadas pelo governador Wilson Witzel (PSC).

Hoje, em entrevista a jornalistas na Arábia Saudita, Bolsonaro voltou a atacar Witzel. "No meu entendimento, o senhor Witzel estava conduzindo o processo com o delegado da Polícia Civil para tentar me incriminar ou pelo menos manchar o meu nome com essa falsa acusação, que eu poderia estar envolvido na morte da senhora Marielle", acusou.

Na manhã de hoje, Witzel contra-atacou. O governador afirmou que Bolsonaro estava em um momento de "descontrole emocional" e classificou as acusações do presidente como "levianas".

"Não manipulo o Ministério Público, não manipulo a Polícia Civil. Isso é absolutamente inadequado e contrário às instituições democráticas. A Polícia Civil no meu governo tem independência, o Ministério Público tem e sempre terá independência. E infelizmente eu recebi com muita tristeza essas levianas acusações. Espero que o presidente reflita", rebateu.

Em live, Bolsonaro ataca TV Globo e Wilson Witzel

UOL Notícias

Caso Marielle