PUBLICIDADE
Topo

Operação Lava Jato

Integrantes da Lava Jato viram réus em ação sobre outdoor da força-tarefa

Outdoor da Lava Jato na via que liga Curitiba ao aeroporto Afonso Pena - Reprodução
Outdoor da Lava Jato na via que liga Curitiba ao aeroporto Afonso Pena Imagem: Reprodução

Vinicius Konchinski

Colaboração para o UOL, em Curitiba

13/02/2020 04h01Atualizada em 13/02/2020 12h54

Procuradores da Lava Jato vão ter que explicar na Justiça se têm relação com um outdoor em homenagem à operação instalado no ano passado na região metropolitana de Curitiba. Treze membros e ex-membros da força-tarefa de combate à corrupção tornaram-se réus de uma ação popular que busca esclarecer quem são os responsáveis pela placa comemorativa.

A propaganda foi posta numa via de acesso ao aeroporto Afonso Pena em março de 2019, mês em que a Lava Jato completou cinco anos. Nela, há fotos de integrantes da operação e a frase: "Bem-vindo à República de Curitiba, terra da Lava Jato, a investigação que mudou o país."

Os procuradores —incluindo Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato no Paraná— foram citados pela Justiça Federal para se pronunciarem sobre a propaganda no final de janeiro. Até agora, nenhum deles se manifestou.

Procurada pelo UOL, a força-tarefa do MPF-PR (Ministério Público Federal do Paraná) informou que seus "atuais membros" não tiveram relação com o outdoor e "se pronunciarão nos autos em momento oportuno".

Além dos integrantes e ex-integrantes da força-tarefa, a empresa Outdoormidia, que instalou a placa, também foi citada. O advogado da companhia não respondeu à reportagem.

Suspeita contra procurador inspira ação

O professor de direito público da UNB (Universidade de Brasília), Marcelo Neves, é um dos autores da ação popular contra os procuradores da Lava Jato. Ele é representado pelo Caad (Coletivo de Advogadas e Advogados pela Democracia).

Segundo Neves, existem indícios de que o outdoor foi pago pelo procurador Diogo Castor, que deixou a Lava Jato dias após a instalação da placa.

Mensagens divulgadas pelo "The Intercept Brasil" apontam que Castor confessou a seus então colegas da Lava Jato ter pago pela propaganda. O depoimento à Polícia Federal de um hacker que obteve essas conversas reforça essa suspeita.

Para Neves, isso precisa ser esclarecido. "Não estou dizendo que um procurador da Lava Jato pagou a placa. Mas, se pagou, isso é antirrepublicano. Precisamos saber", disse Neves, em entrevista ao UOL.

Na ação popular, que é cível, os autores pedem à Justiça que os procuradores da Lava Jato sejam condenados a não fazer mais propagandas sobre a operação. Para os autores do processo, entretanto, o mais importante é que seja explicado como o outdoor já instalado foi contratado.

Nova fase da Lava-Jato apura desvios de R$ 6 bi em fretes

Band Notí­cias

Apurações no CNMP, STF e Polícia Civil

Neves e o Caad também já solicitaram ao CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) a apuração dos responsáveis sobre o outdoor. O caso está sendo avaliado pela corregedoria do órgão, mas o processo corre sob sigilo atendendo a um pedido de Castor.

Além do CNMP, o STF (Supremo Tribunal Federal) já pediu informações sobre o outdoor no inquérito aberto na Corte para apuração de distribuição de fake news. O procedimento é sigiloso.

Intimada nessa inquérito, a empresa Outdoormidia informou que quem contratou a propaganda da Lava Jato foi João Carlos Queiroz Barbosa. Ele é músico e já disse não ter pago pela placa.

Barbosa, inclusive, foi a uma delegacia de Curitiba em julho de 2019 informar autoridades que seu nome foi usado indevidamente para a contratação da propaganda. A Polícia Civil disse que ainda apura o caso.

Indas e vindas até citação de procuradores

A ação contra os procuradores da Lava Jato foi proposta em agosto. Dias depois, a juíza Ana Carolina Morozowski declarou-se suspeita para julgar a causa.

O juiz Marcus Holz assumiu o processo. Ainda em agosto, ele decidiu que a ação não deveria tramitar na Justiça Federal, mas sim na estadual, já que a União não teria interesse na causa.

Os autores recorreram na decisão insistindo que para que a ação fosse julgada na Justiça Federal. O desembargador Ricardo do Valle Pereira, em decisão liminar, acolheu o recurso em dezembro e determinou que o processo voltasse a tramitar na 3ª Vara Federal de Curitiba.

Após a decisão do desembargador, os procuradores da Lava Jato viraram réus da ação popular e a Justiça Federal mandou citá-los.

Operação Lava Jato