Topo

Operação Lava Jato


MDB diz que prisão de Temer e Moreira Franco é "açodada"

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

21/03/2019 12h08Atualizada em 21/03/2019 16h14

Após a prisão do ex-presidente Michel Temer (MDB) pela força-tarefa da Operação Lava Jato, o MDB, partido que foi presidido durante anos pelo ex-presidente, emitiu nota em que chama a postura da Justiça de "açodada".

Além de Temer, o ex-ministro Moreira Franco (MDB) também foi detido pela Polícia Federal, por decisão do juiz Marcelo Bretas. Já o ex-ministro do MDB Eliseu Padilha é alvo de mandados de busca.

"O MDB lamenta a postura açodada da Justiça à revelia do andamento de um inquérito em que foi demonstrado que não há irregularidade por parte do ex-presidente da República, Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco", comunicou o partido.

O UOL não conseguiu contar com o presidente da sigla, Romero Jucá. Ele também foi ministro de Temer e está implicado na Lava Jato.

Veja a íntegra da nota do partido:

"O MDB lamenta a postura açodada da Justiça à revelia do andamento de um inquérito em que foi demonstrado que não há irregularidade por parte do ex-presidente da República, Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco. O MDB espera que a Justiça restabeleça as liberdades individuais, a presunção de inocência, o direito ao contraditório e o direito de defesa ."

Operação Lava Jato