Topo

Caso Marielle


PGR quer manter PM acusado de matar Marielle em presídio federal

O policial militar Ronnie Lessa, acusado de matar Marielle Franco - Marcelo Theobald/Agência O Globo
O policial militar Ronnie Lessa, acusado de matar Marielle Franco Imagem: Marcelo Theobald/Agência O Globo

Flávio Costa

Do UOL, no Rio

04/10/2019 12h06

Resumo da notícia

  • PGR quer manter Ronnie Lessa em presídio federal
  • Defesa havia pedido seu retorno a um presídio no Rio
  • Subprocuradora diz que ele é exímio atirador e tem ingerência com agentes públicos
  • Ministra Rosa Weber ainda vai julgar a questão

A PGR (Procuradoria-Geral da República) se manifestou pela manutenção em um presídio federal do policial militar reformado Ronnie Lessa, acusado de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. O parecer foi enviado na semana passada ao STF (Supremo Tribunal Federal).

A defesa de Lessa havia pedido seu retorno a um presídio no Rio de Janeiro. O PM foi preso em março e, posteriormente, transferido para a penitenciária federal de Mossoró (RN). Em julho, em operação secreta, ele foi levado à penitenciária federal de Porto Velho.

Lessa deve participar hoje, por meio de videoconferência, de audiência de instrução da Justiça do Rio, no âmbito da ação penal sobre os assassinatos de Marielle e Anderson.

Em seu pedido de habeas corpus, o advogado Fernando Santana diz que a permanência de Lessa é ilegal e desnecessária. Até o presente momento, o acusado nega a autoria do crime.

Quatro pessoas ligadas a Lessa, entre elas a mulher e o cunhado, foram presas ontem em uma operação da Polícia Civil do Rio e do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro). Elas são suspeitas de descartarem no mar armas do PM reformado --a polícia crê que, entre elas, possa estar a submetralhadora HK MP5 usada no ataque contra a vereadora e o motorista.

Chefe de milícia

Em seu parecer, a subprocuradora-geral da República, Cláudia Sampaio Maques, defende que Lessa permaneça em um presídio federal, pois ele seria chefe de uma milícia que atua na zona oeste carioca e teria envolvimento com tráfico de armas, exploração de caça-níqueis e grupos de extermínio. Essas informações foram reveladas em reportagem do UOL publicada em 16 de setembro.

"Frise-se ainda que se trata de agente com fácil acesso a armas de fogo, é exímio atirador e possui elevado poder de ingerência junto a agentes públicos do estado do Rio de Janeiro (especialmente policiais civis e militares)", afirmou a subprocuradora.

Antes do parecer da PGR, a ministra do STF Rosa Weber negou o pedido da defesa, em caráter liminar. Ela ainda julgará o mérito do caso.

Quem mandou matar Marielle? E mais perguntas sem respostas

UOL Notícias

Caso Marielle