PUBLICIDADE
Topo

PF prende perito judicial que fraudava laudos para empresas de ônibus no RJ

ESTADÃO CONTEÚDO/ BRUNO ESCOLASTICO
Imagem: ESTADÃO CONTEÚDO/ BRUNO ESCOLASTICO

Do UOL, em São Paulo

05/12/2019 10h09

A Polícia Federal, em conjunto com a força-tarefa da Lava Jato no Rio e com a Receita Federal, prendeu na manhã de hoje o perito judicial Charles Fonseca William na operação batizada de Expertus.

A ação ainda contou com busca e apreensão em endereços vinculados ao investigado. A pedido do MPF, os mandados foram expedidos pela 7ª Vara Federal, primeira instância que julga ações da Lava Jato.

William, segundo colaboradores ligados a Rio Ônibus e a Fetranspor, é suspeito de fraudar laudos para favorecer empresas de ônibus em troca de propina.

Foram identificados, segundo o MPF, pagamentos de R$ 4,9 milhões apenas no período de maio de 2012 a maio de 2015.

Os registros constam nas planilhas do doleiro Álvaro Novis, operador financeiro da Fetranspor, que firmou recentemente acordo de colaboração premiada com o MPF. As entregas eram registradas com o codinome Charles no endereço do escritório do perito, que fica em Niterói (RJ).

O MPF afirmou ter localizado, de maneira independente, registros de pagamentos realizados nos mesmos endereços vistos nas planilhas. Os documentos foram encontrados em uma empresa de manutenção de depósito de documentos, contratada pela transportadora de valores Transexpert.

Além disto, o MPF identificou ligações telefônicas entre William e o empresário de ônibus José Carlos Lavouras, foragido da Justiça que vive em Portugal desde a Operação Ponto Final.

A reportagem do UOL tenta contato com a defesa de Charles Fonseca William.

Operação Lava Jato