Topo

Operação Lava Jato


Lava Jato sugeriu vazamento para barrar possível soltura de Cunha pelo STF

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha - REUTERS/Rodolfo Buhrer
O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha Imagem: REUTERS/Rodolfo Buhrer

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

29/08/2019 12h55

Mensagens obtidas pelo site The Intercept Brasil e publicadas hoje apontam que procuradores da Operação Lava Jato sugeriram, em 2016, um "vazamento seletivo" de informações para a imprensa com a intenção de impedir um julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) que poderia resultar na soltura de Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados.

Nos diálogos, que datam de 12 de dezembro daquele ano, os procuradores mostram preocupação com rumores de que o STF estaria "articulando" para libertar Cunha no dia seguinte. Um deles, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, diz ter recebido a informação "em off" do então juiz Sergio Moro.

O procurador Roberson Pozzobon responde que a informação também estava circulando na PGR (Procuradoria Geral da República). "Toffi, Lewa e GM. Não duvido", diz Paulo Roberto Galvão, citando os ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

Pouco depois, Santos Lima escreve: "Alguma chance de soltarmos a notícia da [companhia aérea] Gol?". O procurador Athayde Ribeiro Costa devolve: "Vazamento seletivo...", usando um emoji de um macaco que sorri enquanto tapa os olhos com as mãos.

As mensagens, segundo o Intercept, foram trocadas no grupo Filhos do Januario 1:

Carlos Fernando dos Santos Lima - 18:45:31 - Recebi do russo : Off recebi uma notícia que não sei se é verdadeira que haveria uma articulação no STF para soltura do Cunha amanhã
Roberson Pozzobon - 18:51:49 - Essa info está circulando aqui a PGR tb
Paulo Roberto Galvão - 18:57:24 - O Stf seria depredado. Não acredito
Athayde Ribeiro Costa - 18:57:40 -toffi, lewa e gm. nao duvido
Santos Lima - 18:58:37 - É preciso ver quem vai fazer a sessão.
Jerusa Viecilli - 18:58:39 - Pqp
Santos Lima -19:00:58 - Alguma chance de soltarmos a notícia da GOL?
Costa - 19:01:35 - vazamento seletivo... [emoji]

Cunha foi preso em outubro de 2016 por ordem de Sergio Moro, à época o juiz responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância. Dias depois, a defesa do ex-presidente da Câmara entrou com um recurso no STF para contestar a decisão de Moro.

O pedido de soltura seria julgado no dia 13 de dezembro pela 2ª Turma da Corte, mas foi retirado de pauta na noite do dia 12 —mesma data em que ocorreram os diálogos publicados hoje pelo Intercept.

A matéria do Intercept não deixa claro se houve, de fato, vazamento de informações sobre Cunha. No dia 12, a Gol informou ao mercado e à imprensa que havia firmado um acordo de leniência com o MPF (Ministério Público Federal). O acordo aconteceu após suspeitas de ligação com Cunha.

No pedido de prisão do ex-deputado encaminhado pelos procuradores do MPF a Moro, a empresa foi citada sob a suspeita de repasse de propina. No documento, os procuradores disseram suspeitar de repasse de pagamentos de cerca de R$ 3 milhões feitos por empresas ligadas à família dona da Gol a empresas controladas pelo ex-deputado.

Os diálogos revelados hoje também mostram que Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato, mentiu ao negar que agentes públicos passavam informações de investigações à imprensa. Em mensagens privadas, procuradores admitem "vazamentos", e Dallagnol aparece antecipando um passo de uma das operações a jornais.

O Intercept vem revelando desde 9 de junho diálogos que teriam sido mantidos por procuradores da Lava Jato e pelo próprio Moro. Em parceria com o site, o UOL, a Folha de S.Paulo, o blogueiro do UOL Reinaldo Azevedo, o site do jornal espanhol El País no Brasil, o BuzzFeed e a revista Veja também publicaram conversas que teriam origem no Telegram.

Procuradores da Lava Jato ironizam morte de Marisa Letícia e luto de Lula

UOL Notícias

Mais Operação Lava Jato