PUBLICIDADE
Topo

Operação Lava Jato


Lava Jato confunde corretor imobiliário com megatraficante em investigação

O traficante Luiz Carlos da Rocha, o "Cabeça Branca", que mudou de rosto para fugir da polícia - Divulgação/PF
O traficante Luiz Carlos da Rocha, o "Cabeça Branca", que mudou de rosto para fugir da polícia Imagem: Divulgação/PF

Vinicius Konchinski

Colaboração para o UOL, em Curitiba

15/12/2019 04h04

A PF (Polícia Federal) confundiu um corretor de imóveis morto há dois anos com um megatraficante de drogas no relatório que baseou a operação Patrón, última fase da Lava Jato do Rio de Janeiro, deflagrada no mês passado.

Em sua investigação, a PF usou dados da lista de contatos telefônicos da empresária Cecy Mendes Gonçalves da Mota para apontar suspeitas de sua relação com traficantes de drogas. Cecy tinha o telefone de Cabeça Branca em seu celular. Para a PF, tratava-se do narcotraficante Luiz Carlos da Rocha, preso em julho 2017 e já considerado um dos maiores criminosos do país.

Acontece que o telefone listado pela PF em seu relatório não pertence a um criminoso. O número é o antigo telefone comercial do corretor de imóveis Luiz Milton Leonardo de Almeida, falecido em agosto de 2017 e cujo apelido também era Cabeça Branca.

A viúva do corretor, Sonia Maria de Almeida, 61, ainda utiliza o número citado no relatório da PF para manter negócios fechados pelo seu ex-marido. Foi através deste telefone que o UOL falou com Sonia e confirmou o erro da investigação.

"Esse número sempre foi do meu marido. Estou muito triste com essa confusão", afirmou Sonia. "Meu marido sempre trabalhou como corretor. Nunca teve nenhum problema com a polícia. Agora, aparece aí como esse traficante de drogas que eu nunca vi na vida."

De acordo com Sonia, seu ex-marido já prestou serviços para Cecy. Os dois são de Ponta Porã (MS), cidade na fronteira entre Brasil e Paraguai. Antes de morrer, o corretor avaliou um imóvel que a família de Cecy pretendia vender. "É por isso que ela tinha o telefone dele", disse a viúva.

"Agora a cidade inteira está me ligando, fazendo piada, dizendo que vou ser presa", afirmou Sonia, que hoje trabalha como cuidadora de um idoso.

O corretor de imóveis Luiz Milton Leonardo de Almeida, falecido em 2017, cujo apelido era Cabeça Branca - Arquivo pessoal
O corretor de imóveis Luiz Milton Leonardo de Almeida, falecido em 2017, cujo apelido era Cabeça Branca
Imagem: Arquivo pessoal
Relatório baseou prisão de Cecy

O relatório da PF citando a suposta relação de Cecy com o tráfico de drogas foi enviado à Justiça Federal do Rio de Janeiro no final de outubro. Com base nele, o juiz federal Marcelo Bretas determinou em novembro a prisão preventiva da empresária.

Antes da decisão, a força-tarefa da Lava Jato do MPF-RJ (Ministério Público Federal do Rio de Janeiro) analisou o documento. Apesar do erro na investigação, o MPF-RJ ratificou a suposta ligação de Cecy com o tráfico e opinou em favor de sua prisão.

"Por meio da análise dos arquivos de nuvem (icloud) de Cecy Mendes Gonçalves da Mota, constatamos que ela possui proximidade com vários membros da família Rafaat Toumani [traficante executado em 2016], assim como diversas outras pessoas relacionadas ao tráfico de drogas", informou à Justiça o MPF-RJ, reproduzindo um trecho do relatório da PF sobre Cecy.

Ajuda ao "doleiro dos doleiros"

O MPF-RJ informou, porém, que a prisão de Cecy não foi motivada por conta de sua possível ligação com tráfico. O órgão declarou que a empresária é suspeita de fazer parte de uma organização criminosa liderada pelo doleiro Dario Messer e de tê-lo ajudado a se esconder de autoridades enquanto esteve foragido.

Segundo a Lava Jato, Messer se hospedou na casa da família da Cecy, os Mota, depois que a Justiça decretou sua prisão preventiva, em maio de 2018. Ele só foi preso em São Paulo em julho deste ano.

O advogado Fábio Ricardo Mendes Figueiredo, que defende os Mota, disse que eles não cometeram crimes e não são ligados ao tráfico. Segundo ele, Cecy já pagou fiança estipulada pela Justiça para pode prestar os devidos esclarecimentos a autoridades em liberdade.

Foto de local turístico que confundiu a investigação da Polícia Federal e o MPF - Reprodução
Foto de local turístico que confundiu a investigação da Polícia Federal e o MPF
Imagem: Reprodução

"Ouro de tolo" engana policiais

A confusão em torno do apelido Cabeça Branca não foi o único equívoco cometido na investigação que desencadeou a operação Patrón.

Em seu relatório, a PF inclui uma foto de três baús cheio de pedras douradas as quais diz serem de ouro. As barras, segundo a investigação, pertenceriam a Orlando Stedile, que é filho de Cecy, e uma outra pessoa não investigada. O ouro seria um indício que Stedile participaria de um esquema de lavagem de dinheiro.

A foto, contudo, foi feita em Dubai, nos Emirados Árabes. Foi produzida num ponto turístico, em que visitantes podem tirar fotografias para simularem ser donos de uma fortuna.

Segundo o UOL apurou, a foto foi encaminhada para Stedile e amigos por uma brincadeira. Stedile, aliás, não tirou a fotografia. No entanto, como ele estava sendo monitorado pela PF, a imagem acabou entrando no relatório de investigação.

Stedile foi preso temporariamente. Já está solto. Seu advogado, Gustavo Alves Pinto Teixeira, disse que ele já prestou os devidos esclarecimentos às autoridades e confirmou o engano da Lava Jato. "Realmente a foto não retrata o quanto Polícia Federal e Ministério Público Federal, em uma primeira e superficial análise, concluíram."

Lava Jato apura repasses suspeitos a grupo que tem filho de Lula como sócio

redetv

Lava Jato insiste em suspeitas

Procurada pelo UOL, a PF não quis comentar pontos específicos de sua investigação sobre Cecy e Stedile na operação Patrón. Informou só que seu relatório traz vários indícios sobre suposta atividade ilegal.

Já o MPF-RJ informou, que após realização de busca e apreensões em endereços ligados aos Mota, foram reforçadas as suspeitas em torno da família.

"De fato, na busca na residência da família Mota, além de serem apreendidas armas de fogo e uma grande quantidade de munições, foram encontrados cadernos de anotações e registros de pagamentos relacionados ao tráfico de cocaína e propinas para policiais."

Ainda de acordo com o MPF-RJ, também foram reforçadas as suspeitas sobre Stedile. "Foram apontados outros elementos concretos que ligam Orlando a lavagem de dinheiro. Inclusive muitas joias foram apreendidas com ele, que aliado a outros elementos, incluindo a encomenda que fez de dois fuzis, justificaram as medidas investigativas contra ele", afirmou o órgão.

O MPF-RJ não comentou pontualmente o erro no relatório de investigação da PF.

Operação Lava Jato