Mais informação com menos tempo de leitura
Topo

Operação Lava Jato


Caso outdoor: PT aciona corregedor que não investigou membro da Lava Jato

O corregedor-geral do Ministério Público Federal, Oswaldo José Barbosa Silva - Gil Ferreira/Agência CNJ
O corregedor-geral do Ministério Público Federal, Oswaldo José Barbosa Silva Imagem: Gil Ferreira/Agência CNJ

Alex Tajra

Do UOL, em São Paulo

03/09/2019 19h42

Deputados da bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara enviaram hoje uma notícia crime — o conhecimento de autoria de um fato criminoso — ao presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, pedindo que o corregedor-geral do Ministério Público Federal, Oswaldo José Barbosa Silva, seja investigado por suas condutas.

O pedido vem na esteira da contratação de um outdoor em Curitiba pelo então procurador Diogo Castor de Mattos, que fazia parte da Força-Tarefa da Lava Jato no Paraná. Na última semana, diálogos publicados pelo The Intercept Brasil revelaram que Castor admitiu a Barbosa que havia contratado a peça publicitária elogiosa à Lava Jato.

"Bem-vindo à República de Curitiba. Terra da Operação Lava Jato, a investigação que mudou o país. Aqui a lei se cumpre. 17 de março - 5 anos de Operação Lava Jato — O Brasil Agradece", dizia o outdoor.

As conversas, além de mostrar quem pagou pela peça, revelaram ainda que Castor e Barbosa teriam feito um acordo para que o primeiro não fosse investigado pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). No dia 5 de abril, após ter admitido que pagara pela propaganda, Castor anunciou seu desligamento da Força-Tarefa, alegando recomendações médicas. O corregedor decidiu por não investigar o procurador e arquivar o processo após uma conversa com o procurador Deltan Dallagnol.

Conforme publicado pelo Intercept, Barbosa questiona Deltan no dia 28 de março sobre a autoria do outdoor, e ele responde que não tem conhecimento. No dia seguinte, o corregedor volta a questioná-lo, afirmando que havia repercussões no CNMP. Ao tomar conhecimento de que Castor financiou a publicidade, o próprio corregedor, segundo as mensagens de Deltan, requereu um ofício com a confissão do procurador.

Dessa forma, "ele suspenderia apuração e mandaria ofício pro CNMP pra suspender também a apuração da turma do abafa, tudo com sigilo 4", segundo uma mensagem de Deltan. A representação no Conselho foi arquivada cerca de 20 dias depois da confissão de Castor. Relator do CNMP, o conselheiro Luiz Fernando Bandeira de Mello chegou a afirmar que "A publicidade não foi contratada por nenhum membro do Ministério Público."

"[As reportagens] revelam que não só o material publicitário fora contratado (quiçá com dinheiro público) pelo Procurador da República Diogo Castor de Mattos (de modo que todo o grupo da força tarefa passaram informações falsas à Corregedoria do CNMP), como a própria Corregoria-Geral do Ministério Público Federal não só tinha ciência desse fato, como agiu em "conluio" com o Procurador-Chefe da Força Tarefa Deltan Dallagnol, para "pôr panos quentes" no ilícito, evitando qualquer investigação ou punição dos responsáveis. ", diz o pedido assinado por deputados do PT.

Para os parlamentares, "as ações do Representado configuram violam a diversos dispositivos constitucionais, éticos e disciplinares da carreira, caracterizam improbidade administrativa e tipifica, em tese, crime previsto no Código Penal."

Castor desrespeitou Noronha

No começo de março, o procurador Diogo Castor publicou um artigo no jornal paranaense Folha de Londrina com ofensas e ataques ao ministro João Otávio de Noronha. Assinado por Castor e pelos também procuradores Felipe D'Elia Camargo, Lyana Helena Kalluf Pereira e Raphael Santos Bueno, o texto afirma que Noronha não "possuía currículo que pudesse classificá-lo como pessoa de 'notável saber jurídico', requisito constitucional para acesso aos cargos nos tribunais superiores."

"Formou-se na pequena Pouso Alegre/MG, jamais passou perto das cadeiras acadêmicas de mestrado e doutorado, exercendo por toda a vida o cargo de advogado do Banco do Brasil. Ao menos é isso que suas decisões fazem crer", escreveram os procuradores.

Os ataques renderam críticas da filha do ministro, a advogada Anna Carolina Noronha. Em suas redes sociais, ela escreveu que Castor deveria "deixar as fraldas, aprender a ler, a respeitar a trajetória de vida dos outros" e que a Força-Tarefa da Lava Jato é um "tribunal ad hoc, instituído, misturado, híbrido, sem limites."

O artigo assinado pelos procuradores também repercutiram no Supremo Tribunal Federal. A declaração mais contundente veio do ministro Gilmar Mendes, que classificou os procuradores de "cretinos". "Se estudaram em Harvard, não aprenderam nada. São cretinos. Oxalá tivessem se formado em Pouso Alegre."

Mais Operação Lava Jato