Topo

Caso Marielle


Coaf aponta depósito de R$ 100 mil para PM acusado de atirar em Marielle

O policial militar reformado Ronnie Lessa - Reprodução/SBT
O policial militar reformado Ronnie Lessa Imagem: Reprodução/SBT

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio*

15/03/2019 11h23Atualizada em 15/03/2019 19h20

Um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) apontou um depósito de R$ 100 mil, em dinheiro, na conta do policial reformado acusado de ter efetuado os disparos que mataram a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista dela Anderson Gomes. Segundo a Polícia Civil, o depósito foi feito pelo próprio Lessa em sua conta em uma agência bancária na Barra da Tijuca, na zona oeste carioca, em outubro do ano passado, sete meses depois do crime. A origem do dinheiro é investigada.

O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) citou esse relatório no pedido que fez à Justiça para bloqueio de bens de Ronnie Lessa e do ex-PM Élcio Queiroz, que também foi preso acusado de dirigir o carro usado no crime que completou um ano ontem. A Justiça decretou o bloqueio dos bens dos acusados.

A Promotoria adotou a medida para garantir a indenização por danos morais e materiais às famílias da vereadora e do motorista. "O pedido de bloqueio de bens foi feito à Justiça no momento do oferecimento da denúncia e deferido pelo Juízo", explicou o órgão através de nota.

O relatório do Coaf cita ainda bens materiais de Ronnie Lessa, como uma lancha, um veículo blindado avaliado em cerca de R$ 150 mil e uma casa no condomínio Vivendas da Barra, na zona oeste, onde imóveis estão avaliados entre R$ 1,5 milhão e R$ 4,5 milhões --os bens seriam incompatíveis com a renda de um PM reformado (uma aposentadoria líquida de R$ 7.463,86).

Procurado, o advogado de Lessa, Fernando Santana, afirmou que não teve acesso às informações do relatório. "Também não falei com ele [Lessa] ainda", afirmou. "O dinheiro pode ser uma doação, pode ser a venda de algo."

Além dos bens, os investigadores também descobriram que o policial viajava com frequência para o exterior e frequentava uma casa no condomínio de luxo Portogalo, em Angra dos Reis, na Costa Verde fluminense. De acordo ainda com o MP, Lessa e Queiroz estiveram juntos no local no Carnaval.

Na última quarta-feira (13), a Polícia Civil informou a apreensão da lancha nesse condomínio de luxo. A lancha estava em nome de Alexandre Motta Souza, que é amigo do policial reformado. Na casa de Souza, foram achadas peças que seriam usadas para montar 117 fuzis (com exceção dos canos). Trata-se da maior apreensão de fuzis da história do Rio de Janeiro.

Em razão de armas encontradas após cumprimento de mandados de busca no dia das prisões, a Justiça converteu ontem em prisões preventivas as prisões em flagrante de Élcio Queiroz, Ronnie Lessa e Alexandre Mota por posse ilegal de arma de fogo de uso restrito.

No caso de Élcio, os policiais que cumpriram o mandado de prisão pelo caso Marielle encontraram duas pistolas e munição de fuzil dentro de seu guarda-roupa. Também havia munição de fuzil no veículo em que Élcio estava quando foi flagrado ao tentar fugir.

A defesa dos suspeitos nega qualquer envolvimento deles no assassinato de Marielle e refutam a acusação de posse ilegal de arma.

Suspeitos ficam em silêncio

Após a realização da audiência de custódia, Élcio e Ronnie foram levados de volta para a Delegacia de Homicídios da capital. O Ministério Público já solicitou que Lessa e Queiroz cumpram pena em um presídio federal. Ainda não há informações para qual complexo prisional a dupla será encaminhada.

Lessa e Queiroz permaneceram em silêncio durante interrogatório sobre o caso Marielle na tarde de hoje na Delegacia de Homicídios, na Barra da Tijuca, na zona oeste da capital. Santana disse que seu cliente só falará em juízo.

"Ele já está com a prisão preventiva decretada, por que perder tempo prestando esclarecimentos?", questionou o advogado. "Ele falará em juízo, futuramente", completou.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Polícia mapeou trajeto de criminosos até local do assassinato de Marielle

UOL Notícias

Caso Marielle