Topo

Operação Lava Jato


Temer está aborrecido, mas confia que será solto, diz advogado

Luis Kawaguti

Do UOL, no Rio

22/03/2019 16h47Atualizada em 22/03/2019 17h09

O advogado e amigo de Michel Temer (MDB), Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, disse hoje que o ex-presidente está confiante de que será solto na próxima quarta-feira (27), quando terá um pedido de habeas corpus analisado pela Justiça. O emedebista foi preso ontem junto com outras nove pessoas pela Operação Lava Jato.

Mariz visitou Temer na superintendência da PF (Polícia Federal), onde o ex-presidente está preso, e disse que o amigo está sendo bem tratado e sente saudades da mulher e dos filhos.

"Ele está triste, está aborrecido, claro, mas ele tem muita esperança na Justiça. Ele acha como todos achamos que o habeas corpus vai ser deferido", disse Mariz, que afirmou ter feito uma visita pessoal e não como advogado a Temer.

O habeas corpus será julgado por um colegiado de juízes do TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região) na próxima quarta. O agendamento foi feito hoje pelo desembargador Antonio Ivan Athié, que também deu 24 horas para que o juiz Marcelo Bretas, responsável pela ordem de prisão, manifeste-se sobre o pedido de soltura. O mesmo trâmite foi adotado para um habeas corpus impetrado pela defesa do ex-ministro Wellington Moreira Franco.

Hoje mais cedo, Michel Temer deveria depor à PF e ao MPF (Ministério Público Federal), mas sua defesa avisou que o ex-presidente ficaria em silêncio. Por isso, Temer sequer foi chamado para prestar depoimento.

Críticas à prisão

Mariz, que não atua na defesa de Temer neste processo, criticou a decisão da justiça de determinar a prisão do ex-presidente.

"(A prisão é) Improcedente, desnecessária, não há um fato que diga que é necessária a prisão do presidente da República. A decisão se baseia em acusações sobre as quais ele não foi ouvido, isso é algo absolutamente violento e inusitado", disse.

Em casa, por exemplo, quando repreendem um filho vocês perguntam para o filho: você fez isso? Aqui [no caso de Temer], não!
Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, advogado e amigo de Temer

Temer foi acusado pela justiça de ser o chefe de um esquema de corrupção. Um dos crimes da suposta quadrilha foi o desvio de verbas públicas que seriam usadas na construção da usina nuclear de Angra 3 por meio de um esquema de empresas fantasmas.

"Chefe de quadrilha é uma afirmação ficcional, fruto de uma carga que se quer fazer contra ele, desprovida de base fática e que denota essa falta de fatos reais. Você afirmar coisas e jogar ao léu, 'quadrilheiro', isto, aquilo, é porque não há fatos concretos que justifiquem a prisão", disse Mariz.

O advogado afirmou também que Temer pediu a ele notícias de seus familiares. "Ele está com saudades dos meninos, das filhas, da mulher."

"Ele gostaria de sair hoje, gostaria de não ter sido preso", afirmou.

Da Presidência à prisão: veja trajetória de Temer

UOL Notícias

Mais Operação Lava Jato