PUBLICIDADE
Topo

Caso Marielle

Conteúdo publicado há
4 meses

Caso Marielle: delegado responsável por apuração é trocado pela 5ª vez

Alexandre Herdy, delegado que assumiu a Delegacia de Homicídios da capital fluminense - Reprodução/TV Globo
Alexandre Herdy, delegado que assumiu a Delegacia de Homicídios da capital fluminense Imagem: Reprodução/TV Globo

Sara Baptista e Caíque Alencar

Do UOL, em São Paulo

02/02/2022 14h58Atualizada em 02/02/2022 17h23

O delegado responsável pelas investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018, vai mudar pela quinta vez. O caso será assumido agora por Alexandre Herdy.

A informação foi confirmada pela Polícia Civil do Rio Janeiro, que explicou que Henrique Damasceno, que estava à frente da DHC (Delegacia de Homicídios da Capital), onde é investigado o caso, foi promovido para a diretoria do DGHPP (Departamento-Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa), que coordena e acompanha todas as delegacias de Homicídios, inclusive a DHC.

A investigação já foi chefiada antes por:

  • Giniton Lages
  • Daniel Rosa
  • Moisés Santana
  • Henrique Damasceno

A mudança acontece quando o assassinato está prestes a completar quatro anos. Até hoje, a motivação e os mandantes do crime não foram esclarecidos.

Em julho do ano passado, quando o caso Marielle trocou de mãos pela quarta vez, especialistas ouvidos pelo UOL já apontavam que as frequentes alterações poderiam trazer prejuízos para a investigação. Para eles, as trocas podem atrasar ainda mais a elucidação do caso, que é considerado sensível.

O Comitê Justiça Por Marielle também manifestou preocupação com a nova troca no caso. "Continuaremos acompanhando e pressionando por justiça e responsabilização dos culpados", disse o Instituto Marielle Franco.

Marielle e Anderson foram mortos na noite de 14 de março de 2018, quando o carro em que estavam foi atingido por 13 disparos, feitos de um outro carro que os seguia desde a Lapa, no Rio de Janeiro, onde a vereadora havia participado de um encontro político.

Os ex-PMs Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz foram presos, quase um ano depois, em 12 de março de 2019, como executores do assassinato e continuam detidos à espera de julgamento. Ambos negam participação nos crimes.

Em outubro do ano passado, a Polícia Militar suspendeu o processo interno que investiga a participação de Ronnie Lessa no crime. Na ocasião, a PM explicou que o caso não foi arquivado, mas apenas suspenso para aguardar o fim do processo criminal que ainda está em andamento na Justiça.

*Com Agência Brasil

Caso Marielle