PUBLICIDADE
Topo

Operação Lava Jato

Conteúdo publicado há
11 meses

Fim da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba causa preocupações, diz Deltan

"Tais mudanças ocorrem, infelizmente, dentro de um quadro de retrocessos no combate à corrupção", afirmou Deltan - Fernando Frazão/Agência Brasil
'Tais mudanças ocorrem, infelizmente, dentro de um quadro de retrocessos no combate à corrupção', afirmou Deltan Imagem: Fernando Frazão/Agência Brasil

Do UOL, em São Paulo

04/02/2021 11h13

O procurador Deltan Dallagnol, que liderou a Lava Jato em Curitiba de 2014, quando foi criada, até setembro de 2020, quando abriu mão do posto, disse que o fim da força-tarefa causa "preocupações" e enxerga a ação como uma mudança que ocorre em um "quadro de retrocessos no combate à corrupção".

"Tais mudanças ocorrem, infelizmente, dentro de um quadro de retrocessos no combate à corrupção, reconhecidos por organismos internacionais. É importante que a Procuradoria-Geral da República invista no reforço das equipes", afirmou Deltan em seu perfil no Twitter.

Com o fim da Lava Jato em Curitiba, principal braço da operação no Brasil, alguns integrantes da força-tarefa passaram a fazer parte do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) a partir de agora.

Com a mudança, o Gaeco passou a contar com nove membros da Lava Jato, sendo que cinco deles se dedicarão aos casos ainda pendentes da força-tarefa paranaense.

Outros dez membros foram designados para atuarem em casos específicos da operação, sem integrar o grupo e sem dedicação exclusiva, até 1º de outubro.

Sobre o remanejamento dos procuradores, Deltan disse que "inevitavelmente se ampliará o prazo de investigações e haverá o adiamento de operações, num contexto de mão de obra já insuficiente e em que os resultados dependem da eficiência dos trabalhos".

Já finalizando seu post no Twitter, Deltan parabenizou a força-tarefa, dizendo que a Lava Jato em Curitiba "se encerra como um modelo de sucesso em termos de responsabilização de corruptos, recuperação de dinheiro desviado e diagnóstico da macrocorrupção política brasileira".

"É necessário avançar mais, restabelecendo a prisão em segunda instância, extinguindo o foro privilegiado e promovendo reformas anticorrupção, o que dependerá, em última análise, da articulação da sociedade", concluiu.

Operação Lava Jato