Topo

CarnaUOL

Ricky Hiraoka


Musa trans do Salgueiro: "É importante que vejam que não somos bichos "

Alex Nunes/Reprodução/Instagram
Kamilla Carvalho é musa trans do Salgueiro Imagem: Alex Nunes/Reprodução/Instagram
Ricky Hiraoka

Formado em jornalismo pela USP e pós-graduado em roteiro pela FAAP, Ricky Hiraoka foi colunista social na revista VEJA SÃO PAULO e na L'Officiel, colaborador de títulos como Glamour, Estilo e Boa Forma e apresentador da TV Marie Claire. Como roteirista, escreveu as séries Z4 (SBT/Disney), Eu, Ela e Um Milhão de Seguidores (Multishow), alem do reality show Fábrica de Casamentos (SBT/Discovery) e o humorístico Ceará Fora da Casinha (Multishow).

2019-01-19T04:00:00

19/01/2019 04h00

Em 2018, a cabeleireira Kamilla Carvalho, 31 anos, fez história ao se tornar a primeira musa trans da escola de samba carioca Salgueiro. Com 1,80 m de altura e muito gingado, ela brilhou ao lado de nomes consagrados, como Viviane Araújo, que desfila à frente da bateria da agremiação.

"Fui muito bem recebida por todas as passistas, pois tenho história no Carnaval. Desfilo desde a adolescência", afirma Kamilla. "Estou há cinco anos na Salgueiro e nunca busquei a fama." 

O convite para ser musa partiu de Regina Celi, que presidiu o Acadêmicos do Salgueiro por dez anos, mas foi afastada do cargo em dezembro, após uma decisão judicial. A troca de gestão trouxe dúvidas para o futuro carnavalesco de Kamilla, que ainda não sabe se manterá o título de musa da escola (veja programação dos desfiles no Rio).

"Sendo musa ou não, quero desfilar, pois é importante ter uma mulher transexual na Sapucaí para que vejam que não somos bichos e que não precisamos ser marginalizadas", argumenta. "Não adianta colocar trans no Carnaval e não dar destaque. O público quer nos ver!"

O título de musa fez Kamilla virar símbolo de representatividade. Diariamente, ela recebe mensagens no Instagram de membros da comunidade LGBTQ dizendo que ela é uma inspiração e que está quebrando paradigmas.

Isso fez com que Kamilla adotasse um comportamento discreto durante os ensaios do Salgueiro. "Essa coisa de ser musa desperta muito a curiosidade sexual das pessoas. Não quis vulgarizar para mostrar que as trans não são um fetiche", conta.

"Mas claro que chamei a atenção, porque tenho um corpão. Rolaram cantadas, principalmente de turistas que iam visitar a quadra do Salgueiro nos fins de semana."

Apesar do assédio, Kamilla está solteira. "O brasileiro é muito preconceituoso, tem medo do que vão pensar se ele namorar uma trans. Aí a gente acaba se acostumando a ficar sozinha."