Topo

Mistura de 'gato com urso', Olinguito é 1ª espécie carnívora descoberta em 35 anos

Do UOL, em São Paulo

15/08/2013 12h20

Um estudo sobre uma família de animais carnívoros revelou por acidente a existência de uma nova espécie, cuja aparência é descrita como uma "mistura de gato doméstico com urso de pelúcia".

A descoberta dos pesquisadores do Instituto Smithsonian, dos Estados Unidos, é o primeiro registro, em 35 anos, de um novo animal carnívoro no mundo Ocidental, destaca artigo publicado nesta quinta-feira (15) no periódico Zookeys, um dos mais importante de taxonomia do mundo.

Batizado de Olinguito (Bassaricyon neblina), o animal foi descoberto a partir de investigação feita ao longo de dez anos no acervo de diversos museus de história natural sobre a família dos olingos, um clã composto por diversas espécies de animais de hábitos carnívoros e habitantes da copa de árvores.

O intuito original do estudo era mapear as espécies de olingos existentes e ver sua distribuição pelo mundo, mas a equipe foi surpreendida pela descoberta do novo animal, anteriormente registrado por engano como pertencente a outra espécie.

A princípio a comparação de registros de diferentes animais da família dos olingos rendeu pistas da existência do Olinguito, cujos dentes e crânio diferiam das outras espécies catalogadas. Posteriormente, exames de DNA comprovaram a suspeita e a existência do animal foi finalmente comprovada e documentada em expedição nas florestas da América Latina.

"A descoberta do Olinguito nos mostra que o mundo ainda não foi completamente explorado, com segredos básicos a serem revelados", diz Kristofer Helgen, curador de mamíferos para o Museu de História Natural do Instituto Smithsonian.

"Se novas espécies carnívoras ainda são descobertas, que outras surpresas nos aguardam? São tantas espécies que ainda são desconhecidas para a ciência que documentá-las é o primeiro passo rumo ao entendimento da riqueza e diversidade da vida na Terra."

O time de pesquisadores descreve o Olinguito como sendo próximo das espécies de guaxinim e quati, com peso inferior a 1 quilo, com grandes olhos e pelagem marrom-alaranjada. Ele come basicamente de frutas e dificilmente sai das copas das árvores, mas, como trata-se de um carnívoro, também alimenta-se de pequenos insetos, além de néctar.

Habitante de matas cada vez mais ameaçadas pelo homem, especialmente na Colômbia e no Equador, ele tem hábitos primordialmente noturnos e, ao parir, da à luz somente um filhote por gestação. 

Mais Meio Ambiente