PUBLICIDADE
Topo

Caso Marielle

Operação faz buscas em endereços de Ronnie Lessa e ex-vereador

Ronnie Lessa é alvo de operação no Rio de Janeiro - Marcelo Theobald/Agência O Globo
Ronnie Lessa é alvo de operação no Rio de Janeiro Imagem: Marcelo Theobald/Agência O Globo

Do UOL, em São Paulo

09/09/2020 06h58

Uma operação realizada pela Polícia Civil e pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) cumpre mandados de busca e apreensão em endereços do policial militar reformado Ronnie Lessa e do ex-vereador Cristiano Girão na manhã de hoje.

As informações foram reveladas pela emissora GloboNews e confirmadas pelo UOL.

Segundo a emissora, a investigação apura a morte do casal André Henrique da Silva Souza, o Zóio, e Juliana Sales Oliveira em 2014, no Gardênia Azul, zona oeste do Rio de Janeiro. O carro onde estavam foi fechado e alvejado com 40 tiros.

Ronnie Lessa é acusado de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes em março de 2018. Ele está preso desde março de 2019.

Já o ex-vereador Cristiano Girão Matias (ex-PMN, hoje sem partido) já foi condenado a 14 anos de prisão por chefiar uma milícia na Gardênia Azul. Ele cumpriu pena e hoje está em liberdade condicional.

O delegado Antônio Ricardo Lima Nunes, diretor do Departamento Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa, afirmou que a operação de hoje pode ajudar a esclarecer quem são os mandantes do atentado que resultou nas mortes de Marielle e Anderson.

"Segundo as investigações, eles teriam participado como executor e mandante desse crime que vitimou o casal em 2014, e nos pareceu um crime com uma assinatura muito clara desses criminosos, um modo de agir muito peculiar, e por conta disso temos essa convicção de que pode realmente ter uma relação com o caso da vereadora Marielle Franco", disse o delegado à GloboNews.

De acordo com o Ministério Público, estão sendo cumpridos cinco mandados de busca e apreensão. As diligências estão sendo cumpridas no Rio de Janeiro, inclusive na cela de um investigado preso em Bangu, e em São Paulo.

Caso Marielle