Topo

Astronauta brasileiro quer fazer de Roraima primeiro Ecoestado do mundo

Mônica Villela Grayley

Da Rádio ONU, em Nova York

2013-05-30T11:41:43

30/05/2013 11h41

Roraima pode se tornar um Ecoestado em breve se depender de uma proposta elaborada pelo primeiro astronauta brasileiro, o engenheiro Marcos Pontes.

Embaixador da Boa Vontade da Organização para Desenvolvimento Industrial da ONU (Organização das Nações Unidas), conhecida como Unido, ele apresentou o plano a funcionários da agência. De Viena, Pontes explicou o porquê de escolher Roraima para o programa de desenvolvimento sustentável.

"Eu propus o Estado de Roraima por causa da sua localização dentro da Amazônia, que já chama a atenção, naturalmente, para a questão da sustentabilidade. Pelo estágio de desenvolvimento do Estado que também é muito propício para um direcionamento sustentável. E também pelo número de cidades. Eu acho que é um Estado, um bom local para desenvolver."

A proposta está sendo analisada pela Unido e deve incluir outras cidades da África, segundo Marcos Pontes.

Roraima apresenta projeto do primeiro Ecoestado do mundo

O astronauta explicou como o plano deve funcionar na prática.

"É o primeiro Ecoestado do planeta Terra. A ideia é trazer e integrar tecnologias e metodologias já testadas em projetos da ONU no mundo todo. E, a partir daí, integrá-las num local só. Coisa que a gente não tem ainda no planeta."

Segundo o embaixador da Unido, a agência deve decidir o destino da proposta ainda neste segundo semestre. Marcos Pontes está na Áustria até esta quinta-feira (31), onde participa do Fórum de Energia de Viena, a convite da ONU.

"Essa visão do astronauta, de olhar o planeta de fora, eu acho que é bastante útil no sentido de se trazer atenção ao problema. A gente tem ainda muitas áreas escuras, de pessoas vivendo em condições terríveis por causa da falta de energia. Mas, hoje em dia, com essa questão de recursos, com essa questão de mudanças climáticas, essa conexão de energia tem de ser através do desenvolvimento sustentável", argumenta ele.

Mais Meio Ambiente