PUBLICIDADE
Topo

PCC


PCC

Polícia investiga ligação do PCC em 7 mortes na fronteira com o Paraguai

11.out.2021 - Operação da Polícia do Paraguai prendeu suspeitos de envolvimento em chacina - Reprodução/Twitter/@DCCO_Paraguay
11.out.2021 - Operação da Polícia do Paraguai prendeu suspeitos de envolvimento em chacina Imagem: Reprodução/Twitter/@DCCO_Paraguay

Herculano Barreto Filho

Do UOL, em São Paulo

13/10/2021 18h35Atualizada em 13/10/2021 20h15

Um homem morreu e outros dois ficaram feridos em mais um atentado hoje à tarde na fronteira entre o Brasil e o Paraguai. Entre as vítimas, está um vereador, que é o possível alvo da ação, de acordo com autoridades locais. Ele está internado, e seu estado é considerado estável.

A polícia paraguaia investiga se há relação entre o crime e as ações do PCC (Primeiro Comando da Capital). Com isso, já foram confirmados sete assassinatos nos últimos dias na região. Uma chacina no último sábado (9) deixou quatro pessoas mortas na saída de uma casa noturna em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia que faz divisa com a brasileira Ponta Porã (MS).

13.out.2021 - Homem morre e outros dois ficam feridos em ataque na fronteira entre Brasil e Paraguai - Reprodução da internet - Reprodução da internet
13.out.2021 - Homem morre e outros dois ficam feridos em ataque na fronteira entre Brasil e Paraguai
Imagem: Reprodução da internet

Hoje, homens armados desceram de suas motos para atirar em Capitán Bado, cidade paraguaia próxima de Pedro Juan Caballero. Baleado na cabeça e no peito, um homem identificado como Juan Bosco Gomez não resistiu aos ferimentos.

Contudo, investigadores acreditam que o alvo do ataque era o vereador Ismael Valiente. Atingido no rosto e no braço, o político foi levado às pressas para um hospital, onde permanece internado. Hermenegildo Lopez, 84, que levou um tiro em uma das pernas, também sobreviveu.

A onda de crimes começou na última sexta-feira (8) com o assassinato do vereador Farid Charbell Badaoui Afif, morto a tiros em Ponta Porã (MS). Após o crime, o governo estadual de Mato Grosso do Sul enviou mais de 50 agentes de polícias especializadas para a região.

"Estamos fazendo um pente-fino em Ponta Porã, com abordagens a carros e pessoas em atitude suspeita. Também sofremos com um efeito colateral desses crimes no Paraguai", disse Marcelino Nunes de Oliveira, secretário municipal de Segurança Pública de Ponta Porã (MS).

Seis pessoas presas

Em meio aos crimes, seis brasileiros foram presos na segunda-feira (11) por suspeita de envolvimento no assassinato de quatro pessoas no último sábado.

Segundo a polícia, as detenções ocorreram numa casa que fica na área conhecida como Villa Estefan de Amambay, de onde teria saído o veículo com o qual os supostos pistoleiros viajaram para cometer o crime. O UOL não localizou a defesa dos suspeitos para que eles relatassem a versão deles sobre o caso.

A polícia investiga se o crime cometido por homens que dispararam mais de cem tiros de fuzil em frente a uma casa noturna foi orquestrado pela facção criminosa de São Paulo. Investigadores paraguaios apuraram que o alvo da chacina era um homem suspeito de ter delatado 14 membros da cúpula da quadrilha.

Um vídeo obtido pelo UOL com imagens de uma câmera de segurança mostra o momento do assassinato, cometido em menos de dez segundos. É possível ver três suspeitos armados, que descem de uma caminhonete do outro lado da rua e seguem na direção das vítimas para atirar.

Apontado pelas investigações como alvo do atentado, Osmar Vicente Alvarez Grance, o Bebeto, foi atingido por 31 tiros. Com idades entre 18 e 22 anos, Kaline Reinoso de Oliveira, Rhamye Jamilly Borges de Oliveira e Haylee Carolina Acevedo Yunis, filha de Ronald Acevedo, governador de Amambai, no Paraguai, também morreram ao serem atingidas pelos disparos.

Bilhete próximo a corpo de policial federal morto

Um outro atentado ocorreu na noite desta terça-feira (12), quando o corpo do policial federal Hugo Ronaldo Acosta foi encontrado dentro de um carro em Pedro Juan Caballero, no Paraguai.

De acordo com o jornal La Nación, os tiros atingiram uma casa, onde foi deixado um bilhete em português: "Para de oprimir a população lá dentro porque vamos pegar vocês como pegamos anteriormente os companheiros seus", diz o texto.

Segundo o delegado Carlos Miguel López Russo, os policiais conseguiram identificar o suposto autor do crime, que já se encontra sob custódia das autoridades, por meio das gravações feitas pelas testemunhas.

López Russo ainda afirmou que não está descartada relação entre o assassinato e os homicídios ocorridos nos últimos dias na fronteira entre Brasil e Paraguai.

PCC